Ocupação começou na manhã desta quarta-feira em Itapira
Publicidade - Anuncie aqui também!
Ocupação escolar protesta contra reorganização da rede de ensino paulista (Arquivo)
Ocupação escolar protesta contra reorganização da rede de ensino paulista (Arquivo)
Publicidade - Anuncie aqui

O conteúdo pedagógico perdido durante as ocupações das escolas estaduais em Itapira deverá ser reposto pelos alunos das unidades afetadas. A informação foi confirmada pela Diretoria Regional de Ensino, com sede em Mogi Mirim.

Até a tarde desta terça-feira (1º) três escolas do município seguiam ocupadas por estudantes em protesto contra a reorganização escolar implantada pela Secretaria Estadual de Educação.

A Escola Estadual Prefeito Antônio Caio, no São Vicente, completa amanhã uma semana de ocupação constante – inclusive com os alunos pernoitando na unidade. As escolas Professor Pedro Ferreira Cintra, na Vila Izaura, e Elvira Santos de Oliveira, na Santa Cruz, também seguem abrigando os estudantes manifestantes. A escola Professor Cândido de Moura, no Jardim Raquel, também chegou a ser ocupada na manhã de sexta-feira (27), mas os estudantes desistiram da manifestação na tarde do mesmo dia alegando supostas pressões externas.

Com as aulas suspensas nas unidades ocupadas, paira entre os estudantes que não participaram das manifestações a preocupação acerca do fechamento do ano letivo. Além disso, também há estudantes que deverão passar pelo processo de recuperação de notas. A reorganização escolar desencadeada pelo governador Geraldo Alckmin afetará cinco das oito escolas estaduais em Itapira.

O objetivo das mudanças é implantar ciclos únicos de ensino em cada unidade, segmentando os alunos por faixa etária. O argumento defendido pelo governo é de que a medida trará mais qualidade à educação pública. Os protestos, contudo, são motivados pelos efeitos da reorganização: fechamento de 93 escolas e transferência de 311 mil alunos em todo o Estado. Especialistas em educação criticam também a falta de diálogo abrangente entre o governo estadual e a comunidade escolar – envolvendo pais, professores, diretores, dirigentes e alunos – e a ausência de estudos que comprovem benefícios pedagógicos das mudanças.

que atenderão somente aos alunos dos anos inciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º), finais (6º ao 9º) ou Ensino Médio. Apesar de afirmar que as aulas serão repostas, a dirigente regional de Ensino, Elin de Freitas Monte Claros Vasconcellos, não precisou um período para que isso aconteça, justamente devido à ocupação por tempo indeterminado nas escolas. “Ainda estamos definindo isso, pois cada escola terá uma data diferente de acordo com os dias parados. Vamos fazer reuniões com os diretores das escolas ocupadas para definir as datas da reposição”, comentou a dirigente.

A assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Educação confirmou que cabe às direções das próprias unidades definirem o calendário. “De concreto, o que temos é a necessidade de finalizar o ano letivo de 200 dias para cumprir a legislação que determina isso”, completou Elin. A dirigente disse que não vislumbra a possibilidade de que a reposição para estudantes de escolas ocupadas seja ofertada em unidades não afetadas pelas manifestações, e considerou que antes de tudo é preciso “esperar o fim dessas ocupações”.

Na semana passada, durante as ocupações nas escolas itapirenses, cartazes com mensagens de protesto contra Alckmin foram afixados nas fachadas das unidades. A reportagem percorreu as escolas e verificou que não há depredação. Ao contrário, os estudantes se organizaram em grupos responsáveis pela limpeza, segurança, alimentação e organização de eventos culturais, como palestras, rodas de conversa e debates, exibição de filmes e discussão sobre as temáticas, exposições de fotos, apresentações musicais e de teatro. Questionada se a Diretoria de Ensino já havia tentado conversar diretamente com os estudantes que estão nas ocupações em Itapira, a dirigente de Ensino afirmou que está definindo uma “agenda” para buscar diálogo com os alunos. “ainda vamos marcar isso”, resumiu, sem fornecer qualquer detalhe sobre como e quando isso será feito.