Rafael Lopes renunciou ao mandato de vereador em Itapira (Arquivo/Itapira News)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

Depois de surpreender a população ao renunciar a seu mandato na Câmara Municipal de Itapira, na última segunda-feira (3), o agora ex-vereador Rafael Donizete Lopes (PROS) também afirmou que não será candidato a prefeito, como vinha sendo aventado nos bastidores políticos.

De acordo com ele, a decisão vale para a eleição que se aproxima, de 2020, e também para pleitos futuros. “Minha vida política termina aqui. É uma decisão concreta, não serei candidato. É uma decisão para o presente e para o futuro”, disse à reportagem do Itapira News em entrevista via telefone.

O anúncio de sua renúncia pegou a todos de surpresa. Oposicionista desde que ‘rachou’ com o grupo governista, pelo qual foi eleito no primeiro mandato, Lopes cumpria sua segunda legislatura consecutiva com um perfil combatente que lhe rendeu apostas como um dos principais nomes a disputar a cadeira do Executivo no próximo ano.

Os motivos apresentados pelo vereador para a decisão envolvem questões pessoas, de foro íntimo, relacionados à família e ao trabalho. Versão contestada inclusive nos bastidores políticos após a publicação da notícia sobre sua renúncia.

Com a vaga aberta por Lopes na Câmara, assume o suplente Fábio Galvão dos Santos. Em 2011, o então vereador Paulo Roberto Andrade (PSDB) também renunciou ao seu mandato na Câmara Municipal.

  • TERCEIRO SETOR E MEDICINA

Médico ortopedista concursado no Hospital Municipal, Rafael Lopes adotou o nome de Dr. Rafael Ortopedista nas urnas. Em sua primeira campanha, nas eleições de 2012, então como membro do grupo do prefeito José Natalino Paganini (PSDB), foi eleito com 2.016 votos.

Após romper com o grupo, alinhou-se à bancada da oposição e assumiu papel de liderança do bloco contrário aos governistas. Enfrentou polêmicas e processos administrativos abertos pela Prefeitura, aos quais sempre classificou como sendo de motivações políticas, ou ‘perseguições’.

A rusga entre Lopes e Paganini chegou ao ponto de o prefeito declarar, publicamente, em entrevista na Rádio Clube, que era inimigo do vereador – o que rendeu o impedimento judicial da participação do prefeito nos processos administrativos abertos contra o parlamentar.

A postura contrária ao grupo situacionista foi a tônica para que, já antes da eleição de 2016, passasse a ser cogitado como provável candidato em uma eventual terceira via ou somando esforços com grupos tradicionais de oposição. Chegou-se a falar que Lopes seria o candidato a vice na chapa de Toninho Bellini, ex-prefeito por oito anos (2005-2012) e que disputou novamente no último pleito.

Ao renunciar, Rafael Lopes afirma que agora pretende se dedicar exclusivamente à carreira médica, além de dar maior suporte à família. E fala ainda em contribuir com a cidade fora da política, atuando em entidades do terceiro setor.

“Procurarei continuar ajudando a cidade com trabalho em entidades e órgãos que já participo ou represento. E seguirei fazendo meu trabalho como médico. O exercício de vereador é transitório, a carreira médica é para sempre”, diz.

Lopes também diz esperar que seu eleitorado compreenda a decisão. “Durante seis anos e meio procurei fazer o melhor na Câmara. Tenho certeza que as pessoas que depositaram confiança em mim vão aceitar essa decisão. E aos que permanecem na Câmara e no Executivo possam fazer um trabalho à altura e que sejam justos com todas as pessoas, inclusive com as que me elegeram”, finaliza.