Sul-coreanos conheceram estrutura da Ascorsi (Leo Santos/Tribuna de Itapira)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Sul-coreanos conheceram estrutura da Ascorsi (Leo Santos/Tribuna de Itapira)
Sul-coreanos conheceram estrutura da Ascorsi (Leo Santos/Tribuna de Itapira)
Publicidade - Anuncie aqui

A Ascorsi (Associação dos Coletores de Resíduos Sólidos de Itapira) recebeu, na manhã desta quarta-feira (12), a visita de representantes do governo da Coreia do Sul.

Os asiáticos foram acompanhados por membros MMA (Ministério do Meio Ambiente) e por integrantes do Cisbra (Consórcio Intermunicipal de Saneamento Básico da Região do Circuito das Águas).

Na sede da associação itapirense, no Flávio Zacchi, eles foram recebidos pelo prefeito José Natalino Paganini (PSDB) e pelos associados e diretores da Ascorsi. A visita faz parte de um acordo de cooperação técnica firmado entre o Brasil e a Coreia do Sul, que visa o desenvolvimento, em solo brasileiro, de projetos ligados ao manejo de resíduos, com custeio da República da Coreia, considerada referência mundial na área.

A delegação chegou a Itapira por volta das 9h30 e permaneceu até quase 11h00 nas dependências da Ascorsi. Eles se inteiraram dos trabalhos desenvolvidos pela entidade e se mostraram surpresos com a organização das atividades. A visita também foi acompanhada pelo secretário municipal de Agricultura e Meio Ambiente, José Alair de Oliveira, bem como pelo superintendente do Cisbra, Hilário Piffer Júnior.

O Consórcio foi selecionado pelo MMA para sediar o projeto que, ao todo, receberá US$ 600 mil, equivalente a mais de R$ 2 milhões, em investimentos do governo coreano. O objetivo do projeto é compartilhar informações e desenvolver soluções comuns entre municípios para o manejo adequado de resíduos sólidos. “Gostamos muito do trabalho, estamos trazendo nosso conhecimento, mas também aprendendo muito. Fomos informados que (o Cisbra) pretende chegar ao topo, então falta muito pouco, o trabalho é muito bom”, comentou a gerente do Instituto de Tecnologia e Indústria Ambiental da Republica da Coreia, Park Si Young, ao final da visita.

Durante a permanência na Ascorsi, os sul-coreanos se mostraram extremamente curiosos e interessados na sistemática de trabalho da associação. Por meio de um tradutor, conversaram com as autoridades, diretores e funcionários, fizeram muitas fotos e também posaram para fotografias. Park disse que estava surpresa também com “a educação do povo brasileiro”. “Ficamos impressionados pela educação que as pessoas têm, vemos que isso é algo muito importante aqui”, elogiou.

Representantes do Ministério do Meio Ambiente também estiveram em Itapira (Leo Santos/Tribuna de Itapira)
Representantes do Ministério do Meio Ambiente também estiveram em Itapira (Leo Santos/Tribuna de Itapira)

Para a coordenadora da Coleta Seletiva Solidária, projeto da Ascorsi subsidiado pela Petrobras, Maria Odete Aparecida Moreira de Mello, a visita da delegação deverá garantir maior visibilidade ao trabalho da associação. “Mostramos que realmente nosso trabalho é de qualidade e é referência no Brasil, e isso quem disse foi um técnico do Ministério do Meio Ambiente que já visitou várias cooperativas do país”, comentou. “Todos nós ficamos muito gratificados com essa visita, que nos garante mais visibilidade e isso nos ajuda a conseguir mais recursos e, também, a receber mais materiais”, considerou.

Os sul-coreanos chegaram ao Brasil na segunda-feira, 10, e se reuniram em Brasília-DF para planejar o cronograma de atividades. A primeira visita aconteceu anteontem em Amparo-SP, onde a delegação foi recebida pelo prefeito Luiz Oscar Vitale Jacob (PSDB), que também preside o Cisbra.

Após a visita em Itapira, ontem, a delegação seguiria para Paulínia-SP, onde conheceriam o aterro sanitário da cidade. A analista de estrutura do Ministério do Meio Ambiente, Caroline Alvarenga Pertussatti, explicou que o acordo de cooperação entre Brasil e Coreia do Sul terá várias etapas. “O objetivo final é estruturar o Cisbra com projetos para que possa se desenvolver e se tornar modelo para o Brasil em gerenciamento de resíduos”, disse. Segundo ela, o governo sul-coreano também investe em iniciativas semelhantes em outros países da América do Sul. “À primeira vista, eles (sul-coreanos) estão bem impressionados com o trabalho do Consórcio. Esperavam encontrar uma realidade ruim, mas viram que existe um trabalho bem estruturado e que está avançando. A avaliação inicial é positiva”, destacou.

GANHOS

Visitantes, autoridades e associados da Ascorsi posaram para fotos (Leo Santos/Tribuna de Itapira)
Visitantes, autoridades e associados da Ascorsi posaram para fotos (Leo Santos/Tribuna de Itapira)

Para Paganini, os investimentos advindos do acordo poderão fortalecer ainda mais o projeto mantido pela Ascorsi no município. “Nós já fortalecemos essa parceria com o novo espaço da Ascorsi, mas a demanda pede ainda mais. É importante ter uma presença de primeiro mundo aqui, nos elogiando e oferecendo parcerias e recursos. Vejo isso como um momento muito especial”, avaliou. “É claro que eles (sul-coreanos) não vão conhecer somente nossos pontos positivos, mas também os negativos, para que possamos discutir e trocar informações para solucionar os problemas. Também fico muito feliz com a presença do pessoal do Ministério”, afirmou o chefe do Executivo, que adiou uma viagem à capital federal para receber a delegação. O prefeito viaja hoje para Brasília.

Para o titular da Sama (Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente), José Alair de Oliveira, o acordo deverá render bons frutos ao município. “Isso poderá nos ajudar a ampliar nossa estrutura, com implantação de projetos e dispositivos tecnológicos. É algo muito compensatório em termos ambientais”, resumiu. O superintendente do Cisbra, Hilário Piffer Júnior, avaliou que o consórcio – que além de Itapira reúne outras 11 cidades – “está no caminho certo para receber recursos ainda maiores”. “Isso é um importante marco para nossa região. Fomos selecionados entre 25 consórcios do país por haver uma identificação com o sistema sul-coreano”, comentou. “Todas as cidades do Cisbra receberão os mesmos projetos e recursos, envolvendo, por exemplo, capacitação de agentes públicos e iniciativas para melhorar a gestão dos resíduos. Hoje temos muitos projetos na cabeça, agora poderemos colocar no papel, discutir com as cidades e colocar tudo em prática”, frisou.

Publicidade - Anuncie aqui