Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

A mulher que aparece em um vídeo com declarações falsas sobre supostos caixões enterrados com pedras em Belo Horizonte se apresentou à Polícia Civil de Minas Gerais.

Ela reside em Campanha (MG), mas segundo informações estaria na casa de familiares em Mogi Guaçu e foi orientada pelo advogado a se apresentar na Delegacia de Jacutinga (MG).

Valdete Pereira Zanco pediu desculpas e disse que teria enviado o vídeo somente em um grupo da família, mas o conteúdo acabou vazando e ganhou imensa repercussão.

Mantenha-se bem informado: curta nossa página no Facebook, siga-nos no Instagram e também pelo Twitter

No vídeo, ela faz insinuações de que o prefeito de BH, Alexandre Kalil, estaria autorizando o enterro de caixões sem corpos de supostas vítimas de coronavírus, contendo pedras e madeiras em seu interior.

A Polícia Civil confirmou que o vídeo se trata de “fake news” e que as denúncias dela são falsas.

Ela pode ser responsabilizada por eventual crime de denunciação caluniosa e difamação contra autoridade pública municipal, além de contravenção penal por produzir pânico e tumulto. As penas podem chegar a nove anos de prisão, além de multa.

“Valdete reconhece humildemente o erro e pede perdão ao município de Belo Horizonte e seu ilustre prefeito e a todos quantos foram atingidos negativamente por este equívoco que cometeu. Gostaria ainda de frisar que minha cliente já se apresentou na Delegacia de Polícia Civil da cidade de Jacutinga/MG na data de 04/05/2020, onde foi lavrada a ocorrência, deixando registrado o incidente, contribuindo com a Justiça e para que essa seja promovida”, disse o advogado Alexsander Ribeiro.

  • Veja a íntegra da nota
“Venho à público esclarecer a respeito do vídeo gravado pela minha cliente Valdete Zanco e que repercute nas redes sociais. Ela havia visto na rede social denominada Facebook um fato ocorrido no Município de Belo Horizonte/MG, do qual caixões haviam sido desenterrados e localizado em seu interior, pedras e pedaços de madeira. Na data da gravação, no interior da loja onde trabalha, ela recebeu um cliente que coincidentemente fez os mesmos comentários, o que a fez julgar o ocorrido como verdade.
Quero deixar claro que o vídeo foi postado unicamente em um grupo de WhatsApp de família, tanto que início o vídeo chama a atenção de um certo Hernandes, sendo este irmão da minha cliente. Com o vazamento do vídeo do grupo de família, ele chegou a ser compartilhado em um canal de Youtube, colaborando assim pela propagação. Desconhecemos a forma como o vídeo ganhou notoriedade nas redes sociais e nos demais veículos de comunicação.
Valdete reconhece humildemente o erro e pede perdão ao Município de Belo Horizonte e seu Ilustre Prefeito e a todos quantos foram atingidos negativamente por este equívoco que cometeu . Gostaria ainda de frisar que minha cliente já se apresentou na Delegacia de Polícia Civil da cidade de Jacutinga/MG na data de 04/05/2020, onde fora lavrada a ocorrência, e deixado registrado o incidente, contribuindo com a justiça e para que essa seja promovida”.