Acesso principal à Ponte Nova continua bloqueado após três meses (Paulo Bellini/ItapiraNews)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

Há exatos três meses, no dia 19 de fevereiro de 2020, a rotina de quem mora, trabalha ou costuma passar pela região da Ponte Nova, distrito rural de Itapira, foi drasticamente alterada.

Uma decisão judicial mandou a Prefeitura de Itapira bloquear a passagem de veículos e também de pedestres pela principal ponte de acesso ao pacato bairro que separa o município da região do Circuito das Águas Paulista.

Mantenha-se bem informado: curta nossa página no Facebook, siga-nos no Instagram e também pelo Twitter

A administração acatou a ordem, interditando a ligação que sai do trevo da Rodovia SP-147, quase na divisa com Lindoia (SP). Com a interdição, moradores e motoristas que utilizam a ligação passaram a ser obrigados a seguir por outras rotas para acessar o bairro.

As opções são a própria rodovia, seguindo até Lindoia e retornando pela estrada interna ou pela ligação em terra que corta o bairro anterior, também rural, da Ponte Preta. A Prefeitura diz que está trabalhando no projeto da obra, mas não forneceu um prazo para que a questão seja solucionada.

Ponte oferece riscos para motoristas e pedestres, segundo entendimento da Justiça (Paulo Bellini/ItapiraNews)

A decisão que determinou o bloqueio da ponte foi assinada pela juíza Vanessa Aparecida Bueno, da 1ª Vara da Comarca. No despacho, ela apontou que a estrutura oferece riscos à passagem dos veículos, especialmente os mais pesados.

De acordo com a magistrada, as obras de reparos feitas pela Prefeitura  em 2019 não foram suficientes para garantir a devida segurança à passagem. Na decisão, a juíza destaca ainda que não ignora os contratempos gerados pela interdição, optando pelo bloqueio para evitar o que poderia ser um mal maior.

  • TRÊS MESES DE ESPERA

Desde a interdição, em fevereiro, o assunto vem gerando muita polêmica. Já motivou, inclusive, manifestações feitas por moradores diretamente ao prefeito José Natalino Paganini (PSDB) durante reunião política no bairro.

A Prefeitura, sem sucesso, já tentou derrubar a determinação judicial, alegando que a estrutura suporta o tráfego de veículos leves. A decisão da Justiça acatou parcialmente os pleitos de uma Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público.

Para que possa ser liberada, a ponte precisa passar por obras que garantam a devida segurança – ou mesmo ser substituída por uma nova estrutura. Segundo a decisão judicial, o bloqueio da ponte deverá perdurar enquanto existir o risco, sob a pena de multa diária de R$ 10 mil, limitada a R$ 500 mil, em caso de descumprimento.

Decisão judicial mantém passagem bloqueada para todos (Paulo Bellini/ItapiraNews)

“Muito embora o município requerido tenha feito algumas obras com o escopo de reparar a ponte, a última vistoria realizada em data recente (27/01/2020), entre outras conclusões, atesta que a ponte tem lesões estruturais ainda não tratadas, sustentação precária da viga transversal, condição imprópria implicando riscos estruturais e tabuleiro constituído por pranchões de madeira consideravelmente desgastados pela idade”, afirma trecho da decisão.

Para a juíza, “entre causar um malefício temporário aos usuários da ponte e ser conivente que uma tragédia ocorra, com graves consequências à vida e integridade física de homens, mulheres, crianças, idosos e até mesmo de animais (desconsiderando a possibilidade de danos patrimoniais, de reduzida ou nenhuma importância nesse momento), elejo a primeira alternativa, pois é passível de solução”, afirma na decisão.

  • GRADES E LANÇAS

Nos primeiros dias do bloqueio, viaturas policiais permaneceram no local para orientar motoristas e evitar afrontas à decisão. Manilhas de concreto foram colocadas para impedir a passagem, mas houve quem conseguisse driblar os obstáculos, especialmente com motocicletas.

Isso levou ao episódio mais recente que novamente gerou polêmica e até revolta em moradores: a instalação de grades com lanças, uma estratégia para impedir de vez o acesso de pedestres, ciclistas e motociclistas.

Novas críticas a respeito da situação da ponte foram fomentadas nos últimos dias, especialmente nas redes sociais, após a Prefeitura inaugurar uma base da GCM (Guarda Civil Municipal) integrada a um Posto de Informações Turísticas na Ponte Nova.

Ponte foi fechada em fevereiro e ganhou até grades no mês passado (Paulo Bellini/ItapiraNews)

Até agora, em 19 de maio de 2020, o principal acesso ao bairro segue totalmente bloqueado, sem informações concretas acerca de uma previsão para reabertura. Informações colhidas junto a moradores deram conta de que a Prefeitura teria prometido resolução do caso até setembro.

Questionada, a administração não confirmou o prazo, mas disse que está em fase de elaboração do projeto básico e executivo da obra. “Estamos agilizando essas elaborações dos projetos e tratando tudo com muito carinho e dedicação para solucionar essa questão o quanto antes”, disse o prefeito em nota remetida ao Itapira News.