Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui
- conteúdo publicitário -

Um café tipicamente itapirense, produzido para atender paladares mais exigentes. Assim é o Café Forões, novidade recente no mercado, mas que já ganhou o reconhecimento pelos aromas e sabores diferenciados.

Com exposição na Rua do Turista, novo setor dedicado ao fomento da produção artesanal e da gastronomia na tradicional Festa de Maio de Itapira, o Café Forões está conquistando ainda mais fãs.

No stand montado na Rua Agostinho Cavenaghi é possível provar o espresso oriundo dos grãos selecionados em um processo complexo que atende a rigorosos procedimentos para obter a classificação gourmet.

“O Café Forões dispensa muitas apresentações, pois quem prova já percebe que se trata de um produto diferenciado e realmente especial. Quem passa por aqui e toma um cafezinho, acaba voltando e leva para casa”, afirma Daniela Fracaroli, prima do engenheiro Gabriel Fracaroli, idealizador do produto.

Conheça a Rua do Turista 
Clique para abrir a localização

Para se ter uma ideia a alta qualidade do produto, a safra deste ano atingiu 83 pontos em uma escala que coleciona os melhores cafés do mundo com pontuação entre 83 e 86 pontos. Entre os vários diferenciais do Café Forões, vale destacar um bem curioso: por haver criação de abelhas entre as plantações, o aroma traz traços marcantes de mel.

“O processo é totalmente diferenciado e é muito mais trabalhoso, por isso se trata de um produto de alto valor agregado. A colheita é feita de maneira seletiva, grão a grão, a secagem ocorre em terreiro suspenso. Depois disso, os grãos são enviados a um mestre de torra que avalia o café e aplica a pontuação de acordo com os critérios estabelecidos pela SCA (Specialty Coffee Association)”, explica Gabriel.

Produto de alto valor agregado já começa a ganhar mercados externos (ComunicaConteúdo)

Formado em engenharia mecatrônica e exercendo a função de gerente industrial em uma indústria química na região de Paulínia (SP), Gabriel emprega o tempo livre nos finais de semana e feriados para acompanhar de perto a produção que requer muitos cuidados para propiciar um café de qualidade superior. “Para mim é uma paixão, um hobby, um orgulho poder dar continuidade, de maneira sustentável, ao legado dos meus avós e bisavós. É um trabalho para que em um futuro próximo se torne um negócio lucrativo. Canso o corpo e descanso a alma do stress do dia a dia. E quando se faz com amor o resultado sempre é positivo e o sucesso é uma consequência natural”, complementa.

  • PARA CONHECER

No espaço montado na Festa de Maio estão disponíveis três versões do Café Forões: a embalagem de um quilo com grãos, para preparo em máquinas de café espresso; o café gourmet moído e uma versão, também em pó, de café tradicional, mas ainda sim com qualidade superior às marcas comuns.

Depois do dia 13 deste mês, quando termina a Festa de Maio, o stand do Café Forões volta para a Vila do Artesanato, às margens da Rodovia SP-147 (Itapira-Lindóia), onde possui espaço fixo de vendas. Quem preferir contato direto com os produtores pode ligar para (19) 9.9696-2960 ou via e-mail [email protected]. Curta também a página oficial no Facebook e siga o perfil no Instagram.

  • EXPERTISE 

A família Fracaroli tem tradição centenária no ramo do café. A propriedade de origem do Café dos Forões fica na região rural de mesmo nome, em meios às montanhas que marcam a divisa entre São Paulo e Minas Gerais.

Porém, a partir de 2016, a família resolveu apostar na produção de cafés de maior qualidade – os gourmets e especiais. Gabriel foi quem liderou a experiência desde o início, fazendo inclusive a pesquisa de mercado para estudar a aceitação de um novo produto. “Com os baixos preços da saca, a produção convencional começou a se tornar inviável. Comecei então a desenvolver o projeto para produzir um café com maior valor agregado”, explica Gabriel.

O café é cultivado no Sítio São Francisco de Assis – área que no passado foi denominada Fazenda Bella Vista dos Forões pelo imigrante italiano Augusto Fracaroli, nascido em 1877 e que chegou ao Brasil em 1892, iniciando a lavoura de café 10 anos depois.

Grãos são selecionados e processo envolve até mesmo avaliação de órgão especializado internacional (ComunicaConteúdo)

Quatro gerações depois, Gabriel – bisneto de Augusto, administra o sítio, que ocupa parte da antiga fazenda, ao lado da mãe Odete Maria Fracaroli. “A propriedade está localizada a 980 metros de altitude e o clima favoreceu a produção do café gourmet. Fizemos todo o investimento necessário, modernizamos a estrutura e hoje já começamos a ganhar o mercado regional com o Café Forões”, conta o engenheiro.

Aliás, o prognóstico dos negócios é dos mais positivos: o café especial itapirense já chegou ao Exterior – mais precisamente nos Estados Unidos e em Dubai, ainda que por mãos de pessoas próximas à família, mas que já começam a espalhar, em outras paragens, toda a qualidade e excelência do produto.