Manifestantes acompanharam votação na Câmara (ItapiraNews/Direitos reservados)
publicidade - anuncie aqui

A Câmara Municipal de Itapira aprovou o PL (Projeto de Lei) que eleva de R$ 5.264,05 para R$ 9.890,00 o subsídio pago aos vereadores.

O polêmico texto que quase dobra o salário pago aos parlamentares foi apreciado em primeira e segunda votação em duas sessões extraordinárias na manhã desta segunda-feira (29).

O aumento passou com cinco votos favoráveis e somente um contrário. Votaram a favor os seguintes vereadores:

André Siqueira (MDB), Beth Manoel (MDB), Fábio Galvão dos Santos (PSD), Maísa Fernandes (PSD) e Luan Rostirolla (PSD).

O único vereador a votar contra o projeto foi Leandro Sartori (Psol). “Nosso voto destoa dos demais colegas dessa casa, pois as prioridades podem ser outras”, justificou o parlamentar.

Os vereadores Carlos Donisete Briza (PP), César Augusto da Silva (PSD) e Carlinhos Sartori (PSDB) não compareceram à sessão e não enviaram seus suplentes.

O presidente Mino Nicolai (MDB) somente votaria em caso de empate. O projeto tramitava na pauta do Legislativo desde o dia 18 e a expectativa era de que a votação ocorresse na sessão da última quinta-feira (25), mas houve um pedido de vistas do vereador Leandro Sartori.

Durante a sessão também houve a votação de um projeto de desmembramento de área, que foi aprovado por unanimidade.

  • PROTESTOS

O PL que reajusta o subsídio dos vereadores é de autoria da Comissão de Finanças e Orçamento, que tem como presidente o vereador Fábio Galvão dos Santos e como membros os vereadores André Siqueira e Beth Manoel.

A iniciativa gerou grande polêmica desde que começou a tramitar na Casa de Leis. Protestos chegaram a ser convocados, mas poucos manifestantes compareceram à sessão da semana passada.

Já a votação manhã desta segunda-feira foi interpretada como uma estratégia justamente para dificultar a mobilização popular contrária ao aumento. Além disso, a Câmara não fez qualquer divulgação oficial das sessões extraordinárias como ocorre tradicionalmente.

Mesmo assim, alguns manifestantes de diferentes espectros políticos e partidários marcaram presença no plenário e destacaram a insatisfação contra o reajuste do subsídio.

Representantes da categoria da enfermagem também estiveram presentes na sessão e criticaram a medida do Legislativo, mais uma vez cobrando atenção às demandas salariais do segmento.

  • MAIOR

O reajuste em torno de 88% começará vigorar a partir de janeiro de 2025, favorecendo a próxima legislatura do município que também terá aumento no número de vereadores, de 10 para 13, conforme definido ainda em 2023.

O último reajuste do subsídio dos vereadores ocorreu em novembro de 2014, retroativo a maio do mesmo ano, com acréscimo de 6,28% ao então salário de R$ 4.953,00, chegando então ao patamar atual de 5.264,05.

Antes disso, em 2012, a pressão gerada por movimentos populares frustrou os planos de um reajuste para R$ 6.430,00 que valeria a partir de janeiro de 2013.

Print Friendly, PDF & Email
Publicidade - Anuncie aqui