Investigadores Cássius e Daniel encontraram martelo usado como arma no crime
Publicidade - Anuncie aqui também!
Luana e Rodrigo confessaram crime, segundo polícia (Reprodução)
Luana e Rodrigo confessaram crime, segundo polícia (Reprodução)
Publicidade - Anuncie aqui

A Polícia Civil identificou no início da noite desta terça-feira (16) duas pessoas acusadas de assassinar o jovem Wellington Diogo Nunes Izidoro, 28, que estava desaparecido há quatro dias em Itapira.

Um casal – Rodrigo Fernando dos Reis e Luana Cristina Lopes, ambos com 19 anos – confessou o crime que teria tido motivação passional. O corpo, que segundo os acusados foi desovado em um rio, ainda não foi encontrado. Segundo o depoimento deles, o jovem foi morto a marteladas. Os investigadores chegaram ao casal após cruzarem informações e rastrearem contatos feitos com o jovem na noite em que ele desapareceu – sexta-feira (12) – depois de deixar o Parque Juca Mulato.

Investigadores Cássius e Daniel encontraram martelo usado como arma no crime
Investigadores Cássius e Daniel encontraram martelo usado como arma no crime

Eles foram encontrados em uma edícula onde moravam, em um sobrado na Rua Espanha, Vila Ilze, por volta das 19h00, e não esboçaram reação. Após o interrogatório, os dois confessaram o crime. A suposta arma do crime foi localizada na residência pelos investigadores Daniel e Cássius, do SIG (Serviço de Investigações Gerais).

Segundo o depoimento dos acusados, Reis teria ciúmes da vítima, e por isso armou uma emboscada para ele em conjunto com Luana, sua amásia. Wellington Diogo teria sido convidado pela mulher – ou pelo acusado se passando por ela – para ir até a casa, onde foi impedido de sair e acabou sendo brutalmente atacado e golpeado. Depois do homicídio, os dois teriam colocado a vítima em seu próprio carro e levado até uma ponte que dá acesso ao bairro rural do Rio Manso, atirando o corpo nas águas do Rio do Peixe.

Em seguida, foram até Mogi Guaçu (SP) onde trocaram o carro da vítima, um VW/Santana, por um GM/Vectra, e retornaram a Itapira. No final da tarde, equipes da Polícia Civil e da GCM (Guarda Civil Municipal) fizeram buscas na tentativa de localizar o corpo. O trabalho será retomado nesta quarta-feira (17). A Justiça decretou a prisão preventiva do casal. Reis foi recolhido à UDTE (Unidade de Detenção, Triagem e Encaminhamento) de Itapira, enquanto que Luana foi transferida para o presídio feminino de Santo Antônio de Posse.