Escorpiões invadem e assustam em cemitérios (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Escorpiões invadem e assustam em cemitérios (Divulgação)
Escorpiões invadem e assustam em cemitérios (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui

Na tarde desta segunda-feira (10) uma equipe do Centro de Controle de Zoonoses de Espírito Santo do Pinhal estará em Itapira para realizar um treinamento em controle de escorpiões, que será realizado no Cemitério da Saudade. O treinamento consiste no recolhimento dos escorpiões sem a utilização de veneno inseticida.

Segundo o Serviço de Controle de Zoonoses (SCZ) de Itapira, a espécie de escorpiões que existe no cemitério, conhecida como escorpião amarelo (extremamente venenoso e que provoca acidentes graves), é a Tityus serrulatus, que reproduz-se por paternogênese, ou seja, só existem fêmeas e todo indivíduo adulto pode parir sem a necessidade de acasalamento.

Este fenômeno facilita a dispersão por causa da fácil adaptação a qualquer ambiente. Além disso, informa o SCZ, a introdução do T. serrulatus em um ambiente, como no cemitério, pode levar ao desaparecimento de outras espécies de escorpiões devido à competição. Cada fêmea desta espécie produz cerca de 20 filhotes em cada parto, tendo dois partos ao ano e chegando a 160 filhotes durante a vida.

O Serviço de Controle de Zoonoses informa ainda que são seguidas as instruções do “Manual do Escorpionismo”, elaborado pelo Ministério da Saúde, em 2009, que não recomenda o uso de venenos inseticidas para o controle de escorpiões. Isso porque os inseticidas matam as baratas, principal alimento dos escorpiões, fazendo com que haja o desalojamento dos escorpiões que, em seguida, poderiam invadir as residências próximas ao cemitério e causar acidentes graves. Além disso, destaca o SCZ, os escorpiões que tiverem contato com veneno e não morrerem, desenvolvem resistência ao produto que é transmitida para as futuras gerações.

Segundo SCZ, o trabalho de captura e retirada visa reduzir gradativamente a população existente de escorpiões e deve ter continuidade durante o ano todo. O escorpião amarelo possui uma substância, em sua carapaça, que brilha no escuro quando em contato com a “luz negra”, facilitando sua localização e a retirada do ambiente.

Todos os escorpiões capturados serão encaminhados ao Instituto Butantan, em São Paulo. Para dar um parâmetro da importância do trabalho que será realizado, o SCZ lembra que a equipe que estará na cidade já retirou mais de três mil escorpiões do cemitério de Espírito Santo do Pinhal.

Treinamento visa combater determinadas espécies (Divulgação)
Treinamento visa combater determinadas espécies (Divulgação)