Família de Fernando Venturini também marcou presença (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

O Centro Multiuso construído no interior do Parque Juca Mulato foi oficialmente entregue na manhã desta sexta-feira (21), em cerimônia que reuniu autoridades e populares no novo espaço que passa a abrigar as atividades do Museu de História Natural de Itapira.

Batizado de ‘Fernando Francisco Venturini’, o local foi construído com recursos federais na ordem de R$ 245.850,00. O prédio tem 217,05 m² e concentra ainda umcom capacidade para 56 lugares e estrutura multimídia completa, que foi batizado de ‘Arnaldo Franco’ em homenagem ao chefe da Congada Mineira de Itapira.

O prédio contempla ainda salão, sanitários e área administrativa. A decisão de transferir o Museu para o local foi embasada no argumento de que o espaço apresenta ao público um formato mais moderno e dinâmico, melhorando a experiência de visitação e aprendizagem.

Família de Fernando Venturini também marcou presença (Divulgação)

O antigo prédio do Museu, na Rua Ribeiro de Barros, defronte ao Parque, agora passa a abrigar as instalações da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo. O ato solene de inauguração do Centro Multiuso contou com a presença do prefeito José Natalino Paganini (PSDB) e do presidente da Câmara, Maurício Cassimiro de Lima (PSDB), além de outros vereadores, bem como o secretário municipal de Cultura e Turismo, Tiago Fontolan.

Arnaldo Franco também esteve presente junto de sua família, bem como dois dos filhos de Fernando Francisco Venturini, Maria Fernanda Venturini Santa Luccia e José André Venturini. As novas dependências do novo Museu de História Natural de Itapira estão abertas para visitação de segunda a sexta-feira das 8h00 às 11h20 e das 13h00 às 17h20, e aos domingos das 10h00 às 13h00, com entrada franca.

Além das exposições de longa permanência, o público também pode prestigiar a exposição ‘Amântica’, mostra fotográfica interativa que aborda aspectos ecológicos de dois importantes biomas brasileiros que estão sofrendo acelerada perda de seus territórios: a Floresta Amazônica e a Mata Atlântica. Tem como proposta fazer com que o público consiga aprender mais sobre esses biomas através de painéis educativos, instalações interativas e material fotográfico que abordam aspectos vegetais e animais através de suas semelhanças e diferenças.