Gabriel Burani pedalou por 20 horas e percorreu mais de 300 quilômetros no Caminho da Fé (Divulgação)

O ciclista itapirense e guia de turismo da Itatrail, Gabriel Burani, cumpriu um desafio pessoal nesta semana ao pedalar nada menos que 303 quilômetros em menos de 20 horas pelo chamado Caminho da Fé.

Ele saiu de Águas da Prata (SP) às 6h28 de quarta-feira (21) e chegou ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida (SP) às 6h06 da manhã seguinte.

Ao todo, a jornada durou cerca de 23 horas e 30 minutos, mas o tempo em movimento – pedalando – foi de 19 horas e 49 minutos, com poucas e rápidas pausas ao longo do trajeto.

A aventura passou por diversas cidades mineiras e paulistas e marcou um ato de superação de Burani, colocando-o em meio a um seleto grupo de atletas que já percorreram o Caminho da Fé em tão pouco tempo.

“O que me motivou foi o fato de ser um desafio extremo. Quis testar minha capacidade física e também meu psicológico. Praticamente não parei durante o percurso, as pausas foram de 10 ou 15 minutos”, conta Burani.

Percurso teve momentos de dificuldades, mas desafio foi cumprido com êxito (Divulgação)

De acordo com ele, um dos momentos mais difíceis do trajeto foi em Campos do Jordão, no início da madrugada de quinta-feira, quando a temperatura era de 3 graus negativos na cidade.

“Meu pé sofreu um início de congelamento, perdi toda a sensibilidade nos dedos. Precisei fazer uma pausa mais longa para me aquecer, coloquei mais meias e esperei a circulação melhorar”, conta.

  • ROTEIRO

De Águas da Prata, Burani seguiu com destino a Andradas (MG), passando por Crisólia (MG), Tocos do Mogi (MG), Inconfidentes (MG), Borda da Mata (MG), Ouro Fino (MG), Estiva (MG), Consolação (MG), Paisópolis (MG), Luminosa (MG), Campinas (SP), Campos do Jordão (SP), Pindamonhangaba (SP) e, finalmente, Aparecida (SP).

Ao longo dos mais de 300 quilômetros percorridos, o ciclista acumulou mais de oito mil metros no chamado ‘ganho de elevação’, que é a distância acumulada em subidas. A velocidade média ficou na ordem dos 15 km/h.

Durante todo o roteiro, ele teve o acompanhamento de um carro de apoio para prestar qualquer suporte, levando mantimentos e roupas, ou mesmo para ajudar em eventual desistência.

Burani também teve o apoio direto dos amigos Leandro Anella, Caique Fiali e Eduardo del Ducca. “Agradeço todo o apoio recebido e que me ajudou a cumprir esse desafio e realizar esse grande feito do MTB (Moutain Bike)”, finaliza.

Print Friendly, PDF & Email

Publicidade - Anuncie aqui