Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

O Parque Juca Mulato se transforma entre a tarde e a noite desta sexta-feira (29) em um palco multicultural para abrigar mais uma edição do Circuito Sesc de Artes. As atividades totalmente gratuitas e abertas ao público começa às 16h00 e tem término previsto para 21h30.

O evento chega ao município através de parceria com a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo e o Sicomvit (Sindicato do Comércio Varejista de Itapira). A praça de alimentação fica a cargo do Food Truck Festival, que acontece entre os dias 29 e 31 no parque.

Com uma programação que aborda várias linguagens artísticas, a 11ª edição do Circuito Sesc de Artes traz artistas, grupos, coletivos e companhias de longas trajetórias. Veja abaixo a programação completa que inclui até mesmo uma companhia circense direto da Bélgica.

Confira abaixo a programação completa

Música – DJ Evelyn Cristina

Durante todo o dia a DJ Evelyn agita o público. Residente de festas consagradas da capital paulista, a DJ também é pesquisadora musical e produtora de trilhas para vídeos e espetáculos. Seu repertório passeia por ritmos do samba rock à eletrobossa, passando pelo maracatu, afrobeat e pela música negra dos séculos 20 e 21. Ela também é DJ residente do Coletivo Ilú Oba de Min, grupo feminino de percussão afro-brasileira.

Cinema – Cineconcerto: A Pantera Cor-de-Rosa

Com Lise + Barulhista. A sessão resgata o início do cinema, quando os filmes mudos eram acompanhados por músicos que executavam a trilha ao vivo. A Pantera Cor-de-Rosa surgiu na introdução do filme de 1964, mas acabou ganhando uma série de animação que fez sucesso no mundo todo. Os músicos seguem os movimentos do felino rosa e brincam com o conhecido tema da personagem.

Música – Quintal dos Prettos

Com Dupla Prettos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira  e Margareth Valentim. O projeto relembra as famosas rodas de samba da década de 1980, quando surgiram nomes como Fundo de Quintal, Leci Brandão, Jorge Aragão, Zeca Pagodinho, Almir Guineto e Jovelina Pérola Negra. Com um grupo de 10 músicos, o público vai acompanhar composições conhecidas com um quintal de samba em plena praça.

Dança – Tramar – Entre trançados de sons e gestos

Com Coletivo TraMar. A brincadeira indígena “Ketinho Mitselü” é a origem do que conhecemos como “cama de gato” e também o que inspira o grupo no espetáculo que mistura dança, música e artes visuais. Os artistas usam a arquitetura e os elementos da praça para a instalação, em que os fios criam o percurso dos movimentos para interagir corpo e espaço. Depois da apresentação, a instalação fica aberta para o público se aventurar entre os fios.

Artes Visuais – Oficina de Fanzies e Lambe-Lambes

Com Fala Cidade. A partir de jogos de palavras e brincadeiras poéticas, os participantes vão produzir seus próprios fanzines e lambe-lambes com poemas e ilustrações criados por eles mesmos. A proposta é reunir técnicas de artes plásticas e poesia em uma espécie de sarau criativo e colaborativo, para que cada grupo de participantes explore as potencialidades dessas mídias populares e alternativas.

Tecnologias e Artes – Câmera Fotográfica Gigante

Com Cidade Invertida. Os participantes vão entrar em uma câmera para conhecer o processo fotográfico por dentro, descondicionando o olhar no cotidiano, ao observar a formação da imagem invertida em uma câmera tradicional, e propor novas maneiras de perceber e registrar imagens estáticas e em movimento.

Circo – Circo Democrático da Bélgica

Com Companhia Pol & Freddy. A companhia belga apresenta um cabaré onde, aparentemente, tudo pode acontecer: malabarismo com pratos, sapateado com botas de esqui ou um salto de quatro metros de altura em uma piscina de 30 centímetros. O público interage democraticamente, ao votar para decidir a forma e o conteúdo da apresentação, ao mesmo tempo em que os artistas exploram, com bom humor, certas tendências ditatoriais da minoria.