Coleta de lixo sofre nova paralisação em Itapira (ItapiraNews/Direitos reservados)
publicidade - anuncie aqui

O serviço de coleta de lixo em Itapira vive uma nova crise desde o último final de semana. Após uma ameaça de paralisação na manhã de sábado (8) que já se refletiu em atrasos no cronograma dos garis, o sindicato que representa a categoria deflagrou uma greve na tarde da última terça-feira (11).

Ao ser comunicada sobre o fato, a Prefeitura acionou sua Secretaria de Negócios Jurídicos, que acionou a Justiça e conseguiu, em poucas horas, o deferimento de uma liminar que obriga a manutenção de pelo menos 50% do serviço no município pela ESN Prestação de Serviços Guararapes Ltda.

Na decisão, o desembargador João Alberto Alves Machado, vice-presidente do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) de Campinas (SP), acolheu os argumentos da municipalidade de que a greve seria “abusiva” em razão da ausência de aprovação prévia da paralisação em assembleia dos trabalhadores e também pela falta do aviso prévio de 72 horas como manda a lei.

Atrasos na coleta novamente resultam em sacos de lixo acumulados na cidade (ItapiraNews/Direitos reservados)

“Deve ser observada a manutenção das atividades indispensáveis ao atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade”, disse o magistrado ao determinar o retorno de pelo menos 50% dos funcionários aos postos de trabalho, fixando multa diária de R$ 5 mil por trabalhador que não cumprir a ordem.

Uma audiência de mediação e conciliação foi agendada para esta quinta-feira (13). Na ação, a Prefeitura argumentou que a motivação da paralisação decorre “de diversas pendências a serem satisfeitas pela empresa contratada e todos os envolvidos estão em conversações para buscar a solução das referidas pendências”.

A reportagem do Itapira News apurou, junto ao vice-prefeito Mário da Fonseca (MDB), que todos os pagamentos da administração para com a empresa estão em dia e que as pendências apontadas pelo sindicato se referem basicamente a questões relacionadas a dispositivos de luzes ainda não instalados nos caminhões.

  • SINDICATO

A categoria é representada pelo Siemaco (Sindicato dos Empregadores em Empresas de Asseio e Conservação e Trabalhadores na Limpeza Urbana e Áreas Verdes), baseado em Americana (SP).

A entidade afirma que a ESN não cumpriu todas as adequações dentro do prazo estabelecido após uma paralisação ocorrida em maio passado.

Entre as necessidades estão, por exemplo, a instalação de alguns equipamentos nos caminhões utilizados na coleta de lixo, a implantação de uma sede adequada para as equipes e os veículos e o cumprimento das remunerações e contratos de maneira adequada.

Print Friendly, PDF & Email
Publicidade - Anuncie aqui