Coleta Seletiva Solidária segue abrangendo cada vez mais localidades em Itapira (Paulo Bellini/ItapiraNews)

O projeto da Coleta Seletiva Solidária completa 10 anos de atividades ininterruptas neste mês de abril.

A iniciativa mantida pela Ascorsi (Associação dos Coletores de Resíduos Sólidos de Itapira) foi lançada no formato atual em abril de 2011, com modelo sistematizado e focado na geração de rendas aos associados.

Antes disso, a coleta acontecia de forma isolada e aleatória, com catadores que utilizavam carrinhos manuais e levavam os materiais para suas próprias residenciais, onde faziam a triagem e só depois encaminhavam à Ascorsi.

Trabalho garante renda e dignidade aos associados (Paulo Bellini/ItapiraNews)

O novo formato surgiu a partir da elaboração de um projeto conjunto, que teve participações de representantes do Senac, da Prefeitura por meio das secretarias de Saúde, Promoção Social e Agricultura e Meio Ambiente, Aipa (Associação Itapirense de Proteção Ambiental), Igreja Presbiteriana e voluntários.

A iniciativa deu origem à uma lei que instituiu a parceria entre a Ascorsi e o município, que permite o repasse de recursos que contribuem com o trabalho desenvolvido.

Na prática, o a Coleta Seletiva Solidária de Itapira tem como principal objetivo a geração de renda, o acesso ao trabalho digno, a inclusão social, a melhoria da qualidade de vida e o resgate da cidadania dos catadores e pessoas excluídas do mercado de trabalho, tendo com princípio a tecnologia social e a economia solidária.

Ações de educação ambiental e conscientização fazem parte da rotina (Paulo Bellini/ItapiraNews)

Hoje, o trabalho abrange 100% da área urbana da cidade, além de várias regiões rurais, garantindo renda a 23 famílias e evitando que toneladas de materiais recicláveis sejam encaminhados ao aterro sanitário. Segundo a Ascorsi, a as mulheres representam a maior parcela de associados – 74%, das quais muitas são chefes de família.

“Desde o início do projeto são utilizados métodos participativos, interativos e articulados com os diversos seguimentos da comunidade com o objetivo de apropriação dos conhecimentos acumulados pelos participantes. Esta metodologia vem apresentando resultados positivos”, destaca nota da instituição.

  • NÚMEROS

A projeção é que cerca de quase sete toneladas de resíduos recicláveis tenham sido corretamente destinados ao longo de uma década de atividades, com comercialização de 5.429 toneladas de diferentes materiais gerando renda e trabalho para 362 famílias ao longo de todos esses anos.

“Além disso, os associados são assistidos em todos os seus direitos como cidadãos, como em relação à saúde, à documentação e outros serviços de assistência social, totalizando 8.383 atendimentos”, diz a Ascorsi, que também promoveu mais de 1.200 ações de educação ambiental nesse período.

Coletores atuam de maneira organizada e sistematizada pela Ascorsi (Paulo Bellini/ItapiraNews)

“Na associação são realizadas dinâmicas participativas, que valorizam os diferentes saberes na construção coletiva do conhecimento para o fortalecimento das relações interpessoais dentro da associação, o resgate da autoestima e o compartilhamento dos aprendizados. Esses aprendizados têm contribuído para o aumento da autonomia e da autogestão, na perspectiva do cooperativismo e da economia solidária”, finaliza nota da Ascorsi.

Publicidade - Anuncie aqui