Maioria de grevistas optou por suspensão da greve
Publicidade - Anuncie aqui também!
Maioria de grevistas optou por suspensão da greve
Maioria de grevistas optou por suspensão da greve
Publicidade - Anuncie aqui

Depois de optarem pela suspensão temporária da greve, os servidores públicos municipais de Itapira devem retornar ao trabalho nesta terça-feira (10).

A decisão foi tomada em duas assembleias ocorridas nesta segunda (09), nos períodos da manhã e da tarde, na frente da Prefeitura. Apesar de retomar as atividades, os trabalhadores continuam sob estado de greve, ou seja, a paralisação pode recomeçar a qualquer momento. O objetivo é reabrir as negociações do reajuste salarial, já que o prefeito José Natalino Paganini (PSDB) enfatizou que não conversaria com o movimento enquanto a paralisação perdurasse.

A primeira assembléia, às 10h00, decidiu que a greve seria suspensa. A partir disso, um ofício foi protocolado na Prefeitura, comunicando o prefeito da decisão. Na resposta à entidade sindical, também via ofício, Paganini disse que a reunião somente ocorreria depois de ‘restabelecidos e normalizados os serviços de todos os setores públicos’ e que haverá ‘prévia definição dos participantes’.

A posição do prefeito foi comunicada aos servidores grevistas em nova assembleia, às 15h00, com a maioria optando por manter a suspensão da greve. Foram 75 votos favoráveis, enquanto que 39 dos presentes na assembleia desejavam a continuidade da greve. “A categoria confia que o prefeito vai reabrir as negociações. Se essa negociação não sair, o servidor vai parar de novo”, comentou a presidente do Sindicato, Cristina Helena da Silva Gomes, após a decisão.

A paralisação começou na quarta-feira (04), depois de assembleia que reuniu perto de 400 servidores na Praça Bernardino de Campos. Os setores que mais aderiram foram Educação, com grande participação de professoras; e Segurança Pública, com paralisação quase que total da GCM (Guarda Civil Municipal).

Pelo menos 70% do efetivo, porém, foi obrigado a retornar ao trabalho na sexta-feira (06), em atendimento a uma liminar da Justiça. No mesmo dia, o então comandante da corporação, Cícero Firmino de Souza, foi exonerado sob a alegação de que teria se omitido em assuntos ligados à greve. No sábado, Paganini declarou que 100% da GCM estava novamente em operação. Até o momento, a GCM responde diretamente ao prefeito.

Guardas civis e policiais militares acompanharam manifestações
Guardas civis e policiais militares acompanharam manifestações

Os atos dos grevistas, nesta segunda-feira, foram acompanhados por guardas civis municipais e policiais militares. No entanto, tudo transcorreu de forma pacifica e organizada. Antes disso, porém, no Almoxarifado Municipal, houve início de desentendimentos entre alguns servidores e sindicalistas, situação que acabou por não evoluir. Um ônibus com dirigentes sindicais que vieram à Itapira para apoiar o movimento foi alvo de revista policial antes de deixar o município, à tarde. Nada de ilícito foi localizado.

Na assembleia da tarde desta segunda-feira também ficou decidido que os servidores que aderiram ao movimento vão à Câmara Municipal nesta terça-feira (10) para acompanhar a sessão legislativa. A categoria luta por aumento acima de 10%. A Prefeitura oferece 6,28%, percentual correspondente ao índice inflacionário entre a data-base dos anos de 2013 e 2014. O Sindicato também cobra reajuste de R$ 100,00 no ticket-alimentação, que passaria de R$ 250,00 para R$ 350,00; enquanto que a proposta do Executivo prevê alta de 10% ticket, e nos abonos assiduidade e de Natal.

Publicidade - Anuncie aqui