Encontro definiu detalhes de uso do recurso para castração (Divulgação)
publicidade
Encontro definiu detalhes de uso do recurso para castração (Divulgação)
Encontro definiu detalhes de uso do recurso para castração (Divulgação)

A Uipa (União Internacional Protetora dos Animais) vai colocar em prática uma operação que prevê a castração de 120 cães no município. Os detalhes foram definidos em reunião ocorrida no sábado (6) na sede da instituição, no Jardim Raquel.

As castrações serão custeadas com uma verba de R$ 15 mil, repassada pela Prefeitura. O projeto tem o apoio da apresentadora Luisa Mell, que mantém forte atuação em defesa dos animais. Os animais serão esterilizados pela veterinária Marina Passadore, do Instituto Luisa Mell, fundado pela artista que desde 2002 passou a ficar conhecida pelo seu ativismo.

A reunião de sábado contou com a presença da veterinária, do diretor-financeiro do Instituto, Marcelo Glauco, e do prefeito José Natalino Paganini (PSDB). Por telefone, Luisa Mell conversou com membros da Uipa itapirense e também com o chefe do Executivo. A operação de castração visa interromper um ciclo de reprodução, principalmente, dos cães abandonados nas imediações do aterro sanitário, na região de Barão Ataliba Nogueira.

A presidente da Uipa de Itapira, Vivian Maria Guerreiro, explicou que 28 filhotes já foram resgatados do local, mas os animais adultos permanecem vadios, já que não há estrutura suficiente para recebê-los na atual sede da instituição. “Somente neste ano, já recolhemos nove cadelas no aterro, todas prenhas, que também serão castradas com esse recurso. No ano passado recolhemos 28 filhotes, mas deixamos dezenas de cães adultos no local, pois não temos onde abrigá-los. Dos filhotes, vários não sobreviveram devido às condições em que foram resgatados. Os que sobraram foram vacinados e disponibilizados para a adoção”, contou.

De acordo com ela, serão castrados 31 animais que hoje vivem nas imediações do aterro. Porém, ainda assim não serão recolhidos. “Esses cães adultos que estão lá são mais agressivos, já desenvolveram hábitos de matilha, e abrigá-los nos canis coletivos da Uipa seria colocar os outros animais em risco. Eles serão castrados por veterinários locais e, depois de recuperados, serão devolvidos ao aterro. Infelizmente não temos condições físicas e financeiras para recolher todos, mas ao menos vamos tentar reduzir a procriação. ”, comentou.

Além dos animais vadios, o recurso obtido junto à administração municipal também permitirá a esterilização de outros 60 cães já doados pela Uipa em Itapira e que ainda não estão estéreis, bem como mais 20 dos que estão abrigados na instituição oriundos de resgates relacionados a situações de maus-tratos ou abandono. Destes, oito são fêmeas, e 12 machos bastante agressivos e que, com a castração, tendem a se tornar mais calmos.

O trabalho, segundo Vivian, será feito em etapas. No próximo sábado, 13, acontece a castração dos animais que estão na Uipa. Depois, no dia 28 deste mês, serão convocadas as 60 famílias que adotaram cães da instituição para uma palestra sobre posse responsável. Elas deverão levar seus animais para uma anamnese junto à veterinária, que avaliará as condições de saúde dos cães, fornecendo orientações sobre os cuidados pré e pós-operatório. “Vamos priorizar as fêmeas e assistir a esta palestra é um critério obrigatório para a realização da cirurgia. As castrações acontecerão no dia 11 de julho, em sistema de mutirão. Normalmente esta ação é feita em alguma escola pública, mas ainda estamos definindo o local”, adiantou Vivian.

O projeto tem ainda o apoio da ONG (Organização Não-Governamental) Celebridade Vira-Lata, uma das maiores de São Paulo. De acordo com Vivian, Por meio destas parcerias, a Uipa pretende levar às escolas públicas palestras sobre posse responsável, castração, maus-tratos e adoção.

Para Luisa Mell, “Itapira é exemplo” na questão dos animais

Projeto atenderá a 120 cães no município (Divulgação)
Projeto atenderá a 120 cães no município (Divulgação)

O apoio de Luisa Mell ao projeto da Uipa tem um papel fundamental nas ações da instituição em Itapira. Para Vivian, toda e qualquer forma de divulgação das atividades em defesa dos animais é válida e importante para reforçar o trabalho desenvolvido e conscientizar a sociedade, especialmente, sobre a posse responsável. “Estamos trazendo para Itapira tendências de comportamento já amplamente difundidas em grandes centros. Nunca tivemos recurso para castração, por exemplo, sempre fizemos com a renda obtida em nossos eventos, e isso é muito positivo. A parceira com o Instituto Luiza Mell e com a ONG Celebridade Vira-Lata nos ajuda muito na divulgação das nossas ações e na redução dos custos com as cirurgias”, frisou a presidente.

Pelas redes sociais, Luiza Mell comentou a parceria. Ao conversar, via fone, com Paganini, ela parabenizou o prefeito pela edição de lei que visa combater os maus-tratos a animais na cidade, aprovada e promulgada recentemente. “Conversei hoje com o prefeito de Itapira para parabenizá-lo pela aprovação da lei municipal contra maus-tratos na cidade. Essa é a maior prova de que com vontade política um município pode tentar resolver o problema dos maus-tratos a animais”, publicou em sua página oficial no Facebook. Até ontem, a fotografia dos participantes da reunião em Itapira com o texto da apresentadora-ativista acumulava mais de 37 mil curtidas, cerca de 1,7 mil comentários e quase cinco mil compartilhamentos. “A equipe do Instituto Luisa Mell está na cidade conversando com o prefeito e organizando um mutirão de castração que também será pago pela Prefeitura, com o apoio da Uipa, Celebridade Vira-Lata e do Instituto Luisa Mell. Parabéns a todos que se envolveram na construção da lei e à cidade de Itapira que está dando um exemplo para o Brasil na questão dos animais”, escreveu Luisa.

Vivian destacou que as palestras serão importantes para quebrar certos tabus que ainda existem com relação à castração. Um desses pré-conceitos, por exemplo, é de que a cirurgias interferem na sexualidade dos animais. “É preciso deixar claro que nada disso procede, e que a castração é questão de saúde pública. Pretendemos entrar nas escolas, falar com as crianças e com os pais. O prefeito se mostrou muito aberto a essa ideia. Temos que atacar a raiz do problema dos maus-tratos e dos abandonos. Estamos avançando aos poucos, agora já temos a lei que é uma aliada muito forte”, avaliou.

Print Friendly, PDF & Email

Publicidade - Anuncie aqui