Mosquito Aedes aegypti é responsável pela transmissão dos vírus da dengue, Zika e febre chikungunya (Arquivo/Agência Brasil)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

A Divisão de Vigilância Epidemiológica confirmou mais um caso de chikungunya em Itapira. Embora tenha sido registrado no final do ano passado, o resultado oficial, por meio de laudo do Instituto Adolfo Lutz, somente chegou nesta sexta-feira (16) ao município.

A doença afetou uma moradora da região do bairro ‘Humberto Carlos Passarela’. Ela agora passa bem. Com isso, sobe para cinco o número de casos de chikungunya registrado em 2017 em Itapira. Desse total, quatro são autóctones, ou seja, contraídos na própria cidade.

Neste ano, até agora, ainda não houve nenhum registro confirmado. De acordo com a Prefeitura, as equipes da Vigilância Epidemiológica vão intensificar as ações de bloqueio e nebulização na região em que a paciente reside.

“Os moradores devem colaborar verificando a existência de pontos com água parada em quintais, calhas, caixas d’água e fiscalizando para que não sejam depositados entulho, lixo e restos de construção em vias públicas”, destacou a administração em nota.