Mantuan durante coletiva: construção de barragem confirmada
Publicidade - Anuncie aqui também!
Mantuan durante coletiva: construção de barragem confirmada
Mantuan durante coletiva: construção de barragem confirmada
Publicidade - Anuncie aqui

O presidente do Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto), José Armando Mantuan, que também responde pela Secretaria Municipal de Planejamento, confirmou, na manhã do dia 1º que a construção de uma barragem em Itapira deve começar até 2016.

De acordo com ele, os passos iniciais estarão voltados aos trâmites burocráticos e obtenção de licenças, para até 2015 a obra começar a ser licitada. Os recursos de R$ 17 milhões para a construção da barragem foram anunciados recentemente pela Prefeitura (veja aqui).

Durante entrevista coletiva na sede do Saae, Mantuan explicou que a barragem é necessária para garantir o abastecimento de água pelos próximos 100 anos; bem como para evitar possíveis enchentes. Se houver um pico de consumo por algum motivo, ou um vazamento dentro de uma situação extemporânea, Itapira corre o risco de ter falta de água”, enfatizou.

Para Mantuan, a preocupação também é com relação à retenção de grandes volumes de água que poderiam chegar a Itapira, pelo Ribeirão da Penha, em caso de chuvas torrenciais como a que ocorreu em 1999 e causou uma das maiores enchentes na cidade. “Temos um rio que pode ir de 360 litros a 330 mil litros em caso de uma chuva torrencial como a que ocorreu em 1999, quando muitos pontos da cidade foram alagados, houve destruições e até morte”, lembrou.

Das verbas liberadas pelo Governo Federal por meio da segunda etapa do PAC (Plano de Aceleração do Crescimento), R$ 15 milhões deverão ser empregados na construção de barragem. O restante será aplicado na implantação de um sistema de tratamento do logo gerado nas lagoas da Estação de Tratamento de Água (ETA) e na construção de uma nova adutora.

Segundo Mantuan, um novo projeto executivo será criado e, só depois disso é que será possível mensurar o impacto ambiental da barragem, bem como definir o local de sua implantação. “Por enquanto, não dá pra avaliar. Mas, claro que haverá compensações”. Ele lembrou ainda que poderão ser construídas mais de uma barragem, mas sempre acima da ponte sobre o Ribeirão da Penha existente na estrada municipal Osvalter Crico, que dá acesso ao bairro Córrego do Coxo.

Posição contrária

Maria Odete quer acesso a detalhes do projeto
Maria Odete quer acesso a detalhes do projeto

Um dia antes da coletiva concedida por Mantuan, a presidente do Comdema (Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável), Maria Odete Aparecida Moreira de Mello, protocolou na Prefeitura um requerimento em que solicita a entrega dos projetos e estudos existentes sobre a construção da barragem.

O órgão mantém posicionamento contrário à obra, e afirma que a solução para os possíveis problemas contidos nas justificativas do presidente do Saae estaria na construção de parques lineares com lagoas marginais ao longo do rio.

“Na Conferência Municipal de Meio Ambiente ficou definida a proposta de construção de parques lineares em áreas de várzea ao longo do Ribeirão da Penha. Contra parques lineares não há argumentos contrários, mas há contra barragens, que podem ter grande impacto ambiental negativo”, comentou Odete.

Contudo, ela ponderou e disse que vai aguardar a apresentação dos estudos e do projeto. “Pode ser que seja algo inovador e revolucionário. Por isso, minha primeira atitude foi a de protocolar o pedido. Neste momento, não encontro argumento substancial que justifique (a construção de barragem), pois temos opções mais viáveis”, frisou. Mantuan, na coletiva, afirmou que está à disposição do Comdema para todos os esclarecimentos, e disse que o órgão será consultado durante o processo de formatação do projeto e realização dos estudos.

Publicidade - Anuncie aqui