Homenagem foi feita no local em que corpo foi encontrado (Paulo Bellini/ItapiraNews)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

Profissionais da área da Segurança Pública que atuaram na investigação do caso envolvendo a morte da bebê Ísis Helena se reuniram na tarde deste sábado (2) para uma homenagem simbólica.

Eles foram ao local em que o corpo foi encontrado na última quarta-feira (29) e fizeram orações, depositaram coroas de flores com mensagens à memória da criança e fixaram uma cruz.

Mantenha-se bem informado: curta nossa página no Facebook, siga-nos no Instagram e também pelo Twitter

Policiais civis, investigadores, representantes do Poder Judiciário e do Ministério Público, agentes da Defesa Civil que atuaram nas buscas finais, voluntários e colaboradores que participaram das operações e delegados marcaram presença no ato, feito de forma discreta.

Familiares da criança também foram convidados. A reportagem do Itapira News acompanhou a homenagem. As coroas foram depositadas também em nome dos Bombeiros Voluntários, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Polícia Militar Ambiental e Sentinelas do Rio Mogi Guaçu.

O delegado seccional, José Antônio Carlos de Souza, o delegado titular de Itapira, Anderson Cassimiro de Lima e o investigador Daniel Portilho representaram as equipes da Polícia Civil. O coordenador da Defesa Civil, Ronaldo Ramos, também esteve presente.

Conforme apurado pela reportagem, foi uma maneira que os profissionais envolvidos encontraram para também prestar uma homenagem à criança, cuja história mobilizou forças de segurança ao longo de dois meses e gerou repercussão nacional, com direito a muita comoção pública.

“Foi uma singela homenagem das forças de segurança que atuaram no caso”, disse o delegado seccional. Populares também já depositaram homenagens e deixaram mensagens no local do encontro do corpo. Atos em apoio a familiares da criança e do pai, Rafael, também foram registrados no município.

A bebê Ísis Helena tinha um ano e oito meses quando desapareceu, no dia 2 de março. A mãe, Jenifer Natália Pedro, confessou que enterrou o corpinho da filha e está presa na Penitenciária Feminina de Tremembé (SP). Ela afirma que a menina morreu enquanto dormia.