Mutirão, sob vigilância da GCM, acontece na Avenida dos Italianos (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

Um grupo de 26 detentos, reeducandos do projeto de ressocialização através do trabalho, iniciaram na manhã desta sexta-feira (4) um mutirão de limpeza na Avenida dos Italianos, em Itapira. Eles trabalham no município por meio de um convênio firmado entre a Prefeitura e a FUNAP (Fundação Dr. Manoel Pedro Pimentel).

Na ocasião, segundo divulgado pela assessoria de imprensa da administração municipal, os integrantes do projeto estavam sob a supervisão de agentes da GCM (Guarda Civil Municipal). Em dezembro, um integrante do programa foi flagrado furtando uma residência no Parque Santa Bárbara, gerando grande polêmica em torno do assunto.

Na prática, parceria permite o emprego de mão-de-obra de pessoas em cumprimento de pena, beneficiadas pelo regime semi-aberto, que deixam o Centro de Ressocialização de Mogi Mirim para atuar em frentes de limpeza pública urbana. Em troca, cada detento recebe R$ 957,70 mensais, além de transporte e alimentação. O convênio tem duração inicial de um ano e pode ser prorrogado.

Prefeitura utiliza mão-de-obra de detentos, reeducandos de projeto de ressocialização (Divulgação)

O mutirão iniciado nesta sexta-feira envolve também equipes da Secretaria Municipal de Serviços Públicos e do SAAE (Serviço Autônomo de Água e Esgoto). O objetivo principal, segundo a Prefeitura, é remover mato e lixo ao longo de uma das principais avenidas da cidade.

Segundo o secretário de Serviços Públicos, Paulo José de Oliveira, o mutirão vai agilizar a limpeza nos pontos principais do município. “Estamos atuando em vários pontos da cidade com equipes menores. Nos pontos principais, este sistema de mutirão se mostra muito eficiente, pois podemos cobrir, num só dia, grandes distâncias e áreas”, declarou.

Ainda de acordo com a assessoria, o prefeito José Natalino Paganini (PSDB) também esteve no local para conferir o início dos trabalhos. “Nesta época do ano são necessárias ações mais enérgicas de limpeza, pois o mato cresce de forma muito rápida por conta das chuvas. Estamos utilizando mão de obra do projeto de ressocialização e de outros órgãos da prefeitura e do SAAE, além de intensificar a fiscalização. Por isso, pedimos à população para que colabore, quem tem terreno tem de manter limpo”, disse.