Táxis deverão passar por nova inspeção
Publicidade - Anuncie aqui também!
 Táxis deverão passar por nova inspeção

Táxis deverão passar por nova inspeção
Publicidade - Anuncie aqui

A Divisão de Transportes Públicos da Secretaria Municipal de Defesa Social agendou para os dias 26, 27, 28 e 29 de dezembro a inspeção veicular dos Táxis que operam no município.

Todos os taxistas da cidade devem participar do procedimento para obterem a renovação do alvará para o próximo ano.

Durante a inspeção, também ocorre a troca dos selos dos veículos. O procedimento será feito na sede da Secretaria Municipal de Defesa Social, no Centro de Lazer ‘Hideraldo Luiz Bellini’, com acesso pela Rua Almirante Barroso, 318, no Cubatão.

O atendimento será feito entre 7h00 e 10h30 e 13h00 e 16h30. “Esclarecemos que o não comparecimento implicará em sanções previstas na legislação vigente, ficando impossibilitado o permissionário de continuar exercendo sua atividade”, alertou o chefe da Divisão de Transportes Públicos, Marcelo de Moura.

CLANDESTINOS

De acordo com Moura, a atuação de taxistas clandestinos segue sendo um problema para os profissionais devidamente legalizados na cidade. Apesar da fiscalização constante, motoristas e veículos não autorizados preferem afrontar o Poder Público e exercer ilegalmente a atividade. Em Itapira, para que um taxista possa trabalhar legalmente, são observados e exigidos requisitos como a obrigatoriedade do motorista residir no município e possuir habilitação específica que permite o exercício de atividade remunerada.

Os veículos devem apresentar o selo de inspeção da Prefeitura na cor amarela, placas vermelhas e caixa luminosa externa com a inscrição ‘TAXI’. O taxista também deve portar o alvará para exercer a atividade, documento que é emitido pela Divisão de Transportes Públicos. “É preciso alertar a população para que não usem os táxis clandestinos. Na falta de um dos requisitos obrigatórios, os passageiros não estarão resguardados e devidamente seguros pelos permissionários cadastrados. Evitem os clandestinos, pois, não terão nenhuma segurança para qualquer tipo de problema que venha a ocorrer”, lembrou.