Cortejo passa defronte à estátua de Virgolino de Oliveira, na Praça (Paulo Bellini/ItapiraNews)

O corpo da empresária Carmen Ruete de Oliveira foi sepultado na tarde desta sexta-feira (30) no Cemitério Municipal da Saudade.

Em clima de muita emoção, amigos e familiares puderam dar o último adeus à empresária falecida no início da madrugada, em São Paulo.

Dona Carmen tinha 93 anos estava com a saúde debilitada. O velório aconteceu na capela localizada no interior da Usina Nossa Senhora Aparecida, onde também fica a casa na qual ela residiu por várias décadas.

A cerimônia foi encerrada com missa de corpo presente celebrada pelos padres Tarlei Navarro, pároco da Igreja Matriz de Nossa Senhora Aparecida; Tadeu Francisco Bonetti, da Matriz de São Judas Tadeu; Jamil Antônio da Costa, da Matriz de Santa Rita de Cássia; e pelo Diácono Fabrício Fagner Ferreira.

Cortejo deixa as dependências da Usina Nossa Senhora Aparecida (Paulo Bellini/ItapiraNews)

Sob salva de palmas, o caixão coberto com a bandeira de Itapira deixou as dependências da Usina no caminhão da Defesa Civil.

Escoltado pela GCM (Guarda Civil Municipal), o cortejo passou pelas avenidas Comendador Virgolino de Oliveira e Rio Branco e ingressou na Rua Comendador João Cintra com destino à região central da cidade.

Um dos momentos de maior emoção foi quando o caminhão com o corpo de Dona Carmen passou defronte à estátua do esposo Virgolino de Oliveira, na Praça Bernardino de Campos, com quem se casou em 1952.

Uma década depois, em 14 de dezembro de 1962, ela ficaria viúva em razão de um acidente aéreo que custou a vida do industrial, fundador do GVO (Grupo Virgolino de Oliveira) a partir de uma das primeiras usinas de cana-de-açúcar de São Paulo e do Brasil.

  • SEPULTAMENTO

Dona Carmen estava internada no Hospital Israelita Albert Einsten, na capital paulista. A morte ocorreu no início da madrugada e foi divulgada pela manhã. Em razão da morte, o prefeito Toninho Bellini (PSD) decretou luto oficial de três dias na cidade.

Inicialmente, a informação era de que o corpo seria transladado da capital paulista diretamente para o sepultamento no Cemitério Municipal da Saudade, sem velório no município.

A família, entretanto, mudou os planos e optou pela cerimônia na capela da Usina – o que, segundo apurado, atenderia desejo da própria Dona Carmen, com acesso liberado à população em geral.

O sepultamento no Cemitério da Saudade ocorreu em um túmulo próximo ao jazigo onde Virgolino está sepultado, sob o som do Toque do Silêncio executado pelo maestro da Banda Sinfônica Lira Itapirense, Maurício Perina.

  • VIDA

Dona Carmen nasceu em 7 de novembro de 1927 na cidade de Araras (SP). Do casamento com Virgolino de Oliveira nasceram três filhos, Carmen Aparecida Ruete de Oliveira; Virgolino de Oliveira Filho e Hermelindo Ruete de Oliveira.

Dona Carmen faleceu em São Paulo (ItapiraNews/Arquivo)

Em março de 2003 ela foi agraciada com o Título de Cidadania Itapirense pelos relevantes serviços prestados à comunidade local. Benemérita, ela era conhecida por sempre ajudar entidades assistenciais e obras sociais da cidade.

Em abril de 2012, a Câmara Municipal de Itapira instituiu a comenda ‘Medalha Carmen Ruete de Oliveira’, anualmente entregue às mulheres de destaque no município. Dona Carmen também empresta seu nome ao Recinto Agropecuário de Itapira.

Print Friendly, PDF & Email

Publicidade - Anuncie aqui