Ensino fundamental do segundo ciclo 'empacou' no Ideb (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Ensino fundamental do segundo ciclo 'empacou' no Ideb (Divulgação)
Ensino fundamental do segundo ciclo ‘empacou’ no Ideb (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui

Com avaliação negativa desde 2009 no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), o segundo ciclo (anos finais) do Ensino Fundamental em Itapira destoa dos resultados obtidos pelos anos iniciais (primeiro ciclo) na ferramenta que avalia a qualidade da educação básica no país.

Tanto nas escolas municipais quanto nas estaduais, o ensino nas salas de aula do 1º ao 5º ano (1ª à 4ª série) vem superando, também desde 2009, as metas projetadas para cada avaliação, que ocorre a cada dois anos.

Já o Ensino Fundamental aos alunos do segundo ciclo (6º ao 9º ano, ou 5ª à 8ª série) permaneceu empacado no mesmo período. Nas últimas três avaliações (2011, 2013 e 2015) ficou abaixo das metas, amargando notas que desde a criação do Ideb, em 2007, não superaram a casa dos cinco pontos. Os resultados referentes ao ano-base 2015 foram divulgados recentemente pelo Governo Federal.

Secretaria Estadual de Educação não comentou o assunto. O índice foi lançado pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) com avaliação retroativa a 2005 e, desde então, estipula metas com base em eixos do Plano de Desenvolvimento da Educação, do Ministério da Educação.

O Ideb é calculado a partir da taxa de rendimento escolar (aprovação) e das médias de desempenho nos exames padronizados aplicados pelo Inep. Os índices de aprovação são obtidos a partir do Censo Escolar, realizado anualmente pelo Inep, enquanto que as médias de desempenho utilizadas são as da Prova Brasil (para Idebs de escolas e municípios) e do Saeb (no caso dos Idebs para instituições estaduais e federais). Em Itapira não há nenhuma instituição de ensino federal.

Desde o lançamento do sistema de avaliação, o Ensino Fundamental do segundo ciclo na rede estadual em Itapira jamais superou as metas propostas. Somente em 2008 a nota atingida ficou exatamente no mesmo patamar esperado: 4,4. De lá pra cá, os resultados foram negativos em 2011, com nova nota de 4,4 que não atendeu à meta de 4,7; 4,6 em 2013, abaixo dos 5,1 desejados e 4,8 no ano passado, nota distante da meta de 5,4. A nota da última avaliação não atingiu nenhuma média – nem a nacional, de 5,5, tampouco a estadual, de 5,8. Para 2017, a meta projetada para o Ensino Fundamental dos anos finais em Itapira é de 5,7. A

PARTE BOA

Na rede municipal, o Ideb é motivo de comemoração da Secretaria Municipal de Educação. Na mais recente avaliação, a nota de 6,1 ao Ensino Fundamental municipalizado ficou bem acima da meta de 5,6 que havia sido projetada para o ano passado. A mesma tendência vem sendo observada nos últimos anos – em 2009, a meta era de 4,7 e a nota foi de 5,2; em 2011 a nota de 5,4 superou a meta de 5,0 e, em 2013, a meta de 5,3 também foi vencida pela nota de 5,7.

A nota de 2015, inclusive, ficou acima das médias estadual (5,8) e nacional (5,5). Para a secretária municipal de Educação, Flávia Rossi, o resultado demonstra a evolução do sistema público-municipal de Ensino Fundamental. “Só temos a agradecer pelo amor e dedicação de todos nossos diretores, assessores, professores e equipes das escolas e da Secretaria que trabalharam muito para chegar nesse resultado. Também atribuímos esse resultado aos pais e responsáveis que acompanham a evolução das crianças e, é claro, dos alunos que tanto se esforçam”, comentou.

O resultado dos anos iniciais do Ensino Fundamental nas escolas básicas de Itapira também superou, inclusive, a meta projetada para a próxima avaliação, em 2017, de 5,8, e se igualaram à meta de 2019, estabelecida em 6,1. Na rede estadual, a educação na mesma faixa de atendimento também vem atendendo às expectativas do Inep. Assim como no primeiro ciclo do ensino municipalizado, nas últimas quatro avaliações as notas das escolas sob responsabilidade da Secretaria Estadual de Educação também superaram as metas projetadas, sendo 5,7 de 5,6 em 2009; 6,3/6,0 em 2011; 7,0/6,2 em 2013 e 7,5 de 6,5 no ano passado. Neste caso, o quadro é ainda melhor: o resultado de 2015 já superou todas as metas projetadas até 2021 (6,7 em 2017; 6,9 em 2019 e 7.1 em 2021).