Antiga fachada do Clube XV de Novembro, hoje inexistente, foi uma das criações elogiadas de Victório Coppos (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Antiga fachada do Clube XV de Novembro, hoje inexistente, foi uma das criações elogiadas de Victório Coppos (Divulgação)
Antiga fachada do Clube XV de Novembro, hoje inexistente, foi uma das criações elogiadas de Victório Coppos (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui

do Megaphone Cultural

A obra do arquiteto itapirense Victório Coppos, vivido entre 1890 e 1965 é tema de nova exposição no Museu Histórico e Pedagógico de Itapira. A mostra, batizada de ‘A Arquitetura de Victório Coppos’, será aberta no dia 15 de abril e seguirá até 30 de junho, reunindo fotografias, documentos, desenhos e estudos que revelam as diversas facetas do arquiteto.

Nascido em 29 de janeiro de 1890, Victório Coppos se formou pela Escola Livre de Engenharia, em São Paulo. Em Itapira, fundou uma fábrica de mosaicos e ornamentos, que abrangia qualquer trabalho arquitetônico, como construções, plantas, fachadas, balcões, túmulos e trabalhos em mármore e ladrilhos, por exemplo.

O ofício, ele aprendeu com o pai, Giácomo Coppos, que era pedreiro. Com apenas sete anos de idade, Victório já o auxiliava em suas funções. Em meio século de trabalho em Itapira, o arquiteto deixou sua marca na paisagem urbana da cidade, com assinatura em fachadas de diversos sobrados e casarões, além dos portais do Instituto Américo Bairral, do Cemitério Municipal da Saudade e da antiga cadeia – atual Casa da Cultura.

Ícones arquitetônicos do município, como a Capela do Salto, em Eleutério, e o Cruzeiro do Parque Juca Mulato, também foram concebidos pelo arquiteto. Outros trabalhos de expressão – como a fachada do Clube XV de Novembro – infelizmente não resistiram à força do tempo e à ausência de uma política de preservação do patrimônio histórico local, que permite alterações e demolições sem qualquer critério. Victório Coppos morreu em 22 de março de 1965, aos 75 anos. A visitação acontece de segunda a sexta-feira, das 8h00 às 11h15 e das 13h00 às 17h15. Aos domingos, das 8h30 às 11h30. A entrada é franca.