Religiosidade está presente na exposição por meio dos estandartes (Divulgação/Rodrigo Alves)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui
via Megaphone Cultural

O Museu Municipal Histórico e Pedagógico Comendador Virgolino de Oliveira, em Itapira, abriu a exposição itinerante “Porta, Porteira e Portão: Modos de ‘Falarrr’ e Costumes do ‘Interiorrr’”. A visitação começou no último dia 4 e segue até 8 de outubro, com entrada gratuita. A mostra é realizada por meio do Edital de Difusão de Acervos Museológicos do Programa de Ação Cultural (ProAC), do Governo do Estado de São Paulo, com o apoio do Sistema Estadual de Museus (Sisem-SP) e da Secretaria de Cultura e Turismo de Itapira.

Até então, a exposição estava em cartaz em Atibaia (SP), conforme noticiado pelo Megaphone Cultural em agosto. Porta, Porteira e Portão reúne painéis, objetos e placas interativas que abordam temas como música, literatura, religião, festas, culinária e folclore, com a intenção de resgatar o estilo de vida no interior e demonstrar que a cultura caipira se reinventou com o passar dos anos. A curadoria é assinada pelo museólogo Rodrigo Santos, de São Pedro, e pela historiadora Renata Gava, de Piracicaba, ambos responsáveis pela Engenho Cultural Assessoria e Consultoria.

“Trazer essa exposição para o município é uma grande alegria. Além do estreitamento de relação com a Secretaria de Cultura do Estado, a temática é bastante agradável, pois nos remete às coisas do interior que, por vezes, paramos de conviver com a modernização da sociedade, mas que durante nossa infância e para nossos pais e avós foram muito presentes. É um resgate cultural de identidade de grande valor”, afirma o diretor de Cultura de Itapira, Ricardo Pecego.

Há estandartes de Santo Antônio, São João e São Pedro, além de gaiolas, pássaros e informações sobre o folclore, incluindo as histórias sobre lobisomem, saci-pererê, curupira, medicina popular, ritual da benzeção e mula sem cabeça. Na culinária, itens como a bala Chita, o pirulito caseiro vermelho em formato de chupeta e os apetitosos pés de moleque foram acondicionados em potes de vidro, a exemplo do que aconteciam nos balcões dos armazéns de secos e molhados.

Como forma de possibilitar a interatividade dos visitantes, uma instalação de fitas de cetim coloridas reúne os antigos monóculos fotográficos, com imagens do passado de Itapira, selecionadas pela equipe do Museu Comendador Virgolino de Oliveira. A interatividade também se faz presente numa tela em branco, em que o visitante é provocado a deixar sua participação: “quais expressões, simpatias e ditos populares você conhece?”.

Os curadores destacam que houve uma leitura contemporânea do espaço expositivo, concebido em alusão às estruturas de portas, portões e porteiras de madeira rústica, a exemplo do nome da exposição. Segundo Rodrigo Santos, a mostra quebra estigmas da cultura caipira e reforça a sua importância. “A exposição desperta o orgulho caipira, tão forte no interior do Estado e ainda presente em todo o país, ao mesmo tempo permite relembrar a forma como viviam nossos avós, tios e pais, além da nossa própria infância.”

Segundo Renata Gava, os objetos possibilitam o contato do público mais jovem com as tradições culturais. “Trabalhamos para recuperar e difundir a memória, a identidade e a história do povo caipira e da sua cultura. Para muitas pessoas, especialmente os jovens, é difícil imaginar que décadas atrás se usava pilão de madeira e moedor de manivela para o preparo dos alimentos e, ainda, as roupas eram passadas com ferro a brasa”, destaca. Os visitantes podem levar filipetas para a casa e as crianças que fizerem visitas em grupo, agendadas por escolas, recebem uma cartilha com caça-palavras, código secreto, jogo dos sete erros e desenhos para colorir. 

HISTÓRICO – A mostra nasceu em 2016 e esteve em cartaz no Museu Histórico e Pedagógico Prudente de Moraes, em Piracicaba, no Museu Casarão Pau Preto, em Indaiatuba, e no Museu Gustavo Teixeira, em São Pedro, por meio da parceria entre as prefeituras dos municípios com o Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP) e Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari (Acam Portinari). Diante do sucesso e da repercussão positiva nas cidades percorridas, os curadores inscreverem a exposição no Edital de Difusão de Acervos Museológicos do Programa de Ação Cultural (ProAC), para que pudesse excursionar por seis cidades da Região Administrativa do SISEM -SP no primeiro e segundo semestres de 2017. Este ano, o primeiro local foi o Cedoc (Centro de Documentação Histórica) da Fundação Romi, em Santa Bárbara d’Oeste. Depois disso, a exposição esteve em Campinas, no Centro de Cultura Caipira e Arte Popular; em Cordeirópolis, na Câmara Municipal; em Holambra, no Centro de Cultura e Eventos; e, em Atibaia, no Centro de Convenções Victor Brecheret.
 
SERVIÇO – “Porta, Porteira e Portão: Modos de ‘Falarrr’ e Costumes do ‘Interiorrr’”.
Visitas: De 4 de setembro a 8 de outubro, de segunda a sexta-feira, das 8h00 às 11h15 e das 13h00 às 17h15; domingos, das 10h00 às 13h00
Local: Museu Municipal Histórico e Pedagógico “Comendador Virgolino de Oliveira”
Endereço: Parque Juca Mulato, S\N, Centro, Itapira-SP
Entrada gratuita. Informações sobre visitas em grupo ou agendadas: (19) 3863-0835