Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

A FATEC (Faculdade Estadual de Tecnologia) de Mogi Mirim realiza neste sábado (25) a primeira edição da Olimpíada Regional de Robótica. Cerca de 90 estudantes, divididos em 15 equipes, participam da competição.

O objetivo estimular o interesse pela robótica nos alunos dos Ensinos Médio, Técnico e Superior, além de incentivar a criação de projetos multidisciplinares e promover o entrosamento entre os competidores.

Sob orientação de um professor, cada equipe inscrita precisa pesquisar, projetar, construir e programar seus próprios robôs usando kits de robótica, placas e componentes eletrônicos.

Todos os robôs devem ser móveis e autônomos (capazes de navegar pelo ambiente sem interferência humana), não sendo permitida a alimentação de energia por meio de cabos. “É uma atividade que motiva os alunos a interagirem, trocarem experiências e trabalharem em grupo”, afirma o diretor da Fatec, André Giraldi.

O evento é gratuito e aberto ao público e as atividades acontecem entre 8h00 e 13h00 na unidade instalada à Rua Ariovaldo Silveira Franco, 567 – Jardim 31 de março. Mais informações na página do evento no Facebook.

  • COMPETIÇÃO

A Olimpíada é dividida em duas modalidades: circuito de obstáculos, com desafios que devem ser cumpridos pelo robô; e prova de arrancada, uma corrida em linha reta entre dois robôs. As equipes serão enquadradas nas categorias Nível 1 (formadas por estudantes dos Ensinos Médio e Técnico) e Nível 2 (Ensino Superior).

A primeira categoria terá participação de seis equipes formadas por alunos das Etecs João Maria Stevanatto (Itapira), Rosa Perrone Scavone (Itatiba) e por jovens matriculados em escolas da rede estadual da Região de Campinas. Estudantes dos cursos superiores tecnológicos de Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Mecatrônica Industrial e Projetos Mecânicos da Fatec Mogi Mirim formam as nove equipes que vão disputar o Nível 2.

O desempenho das equipes será avaliado por acadêmicos e profissionais ligados ao setor industrial. “Esse tipo de equipamento é semelhante ao utilizado na indústria 4.0 e fundamental para o desenvolvimento tecnológico do setor. Por isso é importante que as empresas da região conheçam a capacidade dos nossos jovens de desenvolver tecnologia brasileira para atender essas demandas”, afirma Giraldi.