Sindicalistas e trabalhadores fizeram ato na praça de pedágio entre Itapira e Mogi Mirim
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

A praça de pedágio no KM 52 da Rodovia SP-147, entre Itapira e Mogi Mirim, foi palco de uma manifestação grevista ocorrida na manhã da última quinta-feira (18).

Em consonância com outras paralisações da categoria em diversas praças, alguns funcionários da Intervias, concessionária integrante do grupo Arteris e que administra o trecho, aderiram ao movimento pra reivindicar melhorias nas condições de trabalho.

Um grupo de trabalhadores e sindicalistas ligados ao Sidecrep (Sindicato dos Empregados nas Empresas Concessionárias no Ramo de Rodovias e Estradas em Geral do Estado de São Paulo) permaneceu das 6h00 às 10h45 no local, com faixas anunciando a greve.

O fluxo da rodovia não foi prejudicado pelo ato. Segundo a entidade sindical, o movimento é por tempo indeterminado e, em algumas praças, atingiu 100% de adesão. o Sindecrep reivindica também aumento salarial, além da melhoria nas condições de trabalho de uma forma geral, negociação do acordo coletivo e melhoria do convênio médico.

O órgão afirma que tentou negociação amigável com a empresa, sem sucesso. A deflagração da greve na última quinta-feira ocorreu na mesma data em que estava prevista uma audiência envolvendo as negociações no TRT (Tribunal Regional do Trabalho) de Campinas.

Paralisação ocorreu em diversas praças na região (Divulgação/Sindcrep)

A Arteris/Intervias não informou qual o percentual de adesão à greve na praça de Mogi Mirim-Itapira. Em nota remetida ao Itapira News, a assessoria da concessionária disse que está em processo de negociação do Acordo Coletivo de 2019 e permanece aberta ao diálogo com seus colaboradores.

“Nos últimos meses, a companhia tem mantido contato constante com o sindicato dos empregados de concessões de rodovias para finalizar as negociações o mais rápido possível. A companhia possui um histórico pautado no respeito à sua equipe e não tem nenhum interesse em adiar esta definição”, informou o texto.

Ainda segundo a nota, “a companhia está adotando todas as medidas para assegurar a segurança de todos os usuários das rodovias e colaboradores, além de minimizar qualquer impacto na operação, garantindo o direito de ir e vir de quem trafega pelo trecho”. O resultado da audiência no TRT ainda não foi divulgado.