Publicidade    
Souza ponderou sobre o futur do GAT: "é preciso aguardar", diz
Souza ponderou sobre o futur do GAT: “é preciso aguardar”, diz
Publicidade - Anuncie aqui

A retomada das atividades do GAT (Grupo de Ações Táticas) da Guarda Civil Municipal ainda é incerta.

A equipe está paralisada deste novembro do ano passado, quando três guardas se feriram em um acidente durante uma perseguição. O ocorrido também tirou de circulação a única viatura do grupamento, que ficou bastante danificada e ainda aguarda pela reforma.

Em sua primeira entrevista concedida após retornar ao comando da GCM, há cerca de 20 dias, o cabo aposentado da Polícia Militar (PM), Cícero Firmino de Souza, afirmou que o futuro do GAT assunto ainda está pendente.

Viatura do GAT está temporariamente fora das ruas
Viatura do GAT está temporariamente fora das ruas

“É uma questão que ainda está indefinida. Não sei, ainda, se compensa consertar a viatura. Ainda não tem nada certo. Primeiro, é preciso esperar a conclusão do processo administrativo”, disse, referindo-se a um procedimento Secretaria Municipal de Negócios Jurídicos que investiga o caso.

Em novembro, após o acidente, o coronel Vanderlei Manoel de Oliveira, então comandante da GCM, desmentiu rumores de que o GAT seria extinto.

Para Souza, agora é necessário esperar a conclusão da sindicância. “Vou esperar terminar essa fase, para depois tratar do assunto. Por isso, tudo ainda é indefinido, não dá pra saber o que pode acontecer. Enquanto isso, os guardas da equipe de GAT trabalham normalmente nas demais equipes”, enfatizou.