Gari foi ferido no braço com uma agulha em Itapira
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

O gari Eduardo Aparecido Pedroso, de 36 anos, acionou a reportagem do Itapira News para expor uma situação bastante desagradável ocorrida na última segunda-feira (11), enquanto fazia a coleta de lixo na região da Vila Kennedy – popularmente chamado de ‘Tola Cavalo’.

Ao pegar um saco de lixo depositada na calçada da Rua Presidente Kennedy, ele sentiu uma perfuração no antebraço. Ao verificar o que havia provocado o ferimento, percebeu se tratar de uma agulha acoplada a uma seringa, que estava dentro do saco de lixo sem qualquer proteção.

Segundo ele, no saco também havia medicamentos de uso veterinário. Como protocolo de segurança do trabalho, o gari precisou suspender imediatamente suas atividades e comunicou o fato ao encarregado da empresa responsável pela coleta e destinação do lixo em Itapira, a CleanMax.

“Parei o que estava fazendo e avisei meu superior. Agora eu vou precisar até mesmo fazer exame para verificar se não houve nenhuma contaminação. É uma situação muito desagradável e até mesmo arriscada, por isso quero pedir a colaboração da população para que não exponha os garis a esses riscos”, salientou.

O gari afirmou ainda que esses casos não são raros em sua profissão. No dia-a-dia, ele e seus colegas estão acostumados a se deparar com objetos e materiais perfuro-cortantes dentro dos sacos de lixo. Até mesmo palitos de madeira são capazes de provocar ferimentos aos trabalhadores.

“A gente orienta e pede para o pessoal colocar os cacos de vidro, lâmpadas, tudo o que possa provocar algum ferimento, dentro de garrafas pet ou caixas de papelão, lacrar bem para não provocar ferimentos em nós que estamos trabalhando para manter as ruas limpas”, desabafou Pedroso.

Para o gari, as pessoas devem cumprir com suas obrigações e deveres, incluindo o cuidado e a responsabilidade com o lixo gerado em suas casas. “Faço um apelo para que todos tenham um pouco mais de consciência na hora de descartar seus lixos. Sou coletor e amo minha profissão e peço para que fiquem mais atentos para que esses acidentes não aconteçam novamente comigo e nem com meus companheiros de trabalho”, concluiu Pedroso, que espera conseguir identificar os responsáveis pela agulha que o feriu.