Tarifa do circular sobe para R$ 3,30 em agosto (Arquivo)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Usuários poderão sofrer consequências de nova paralisação do transporte público
Usuários poderão sofrer consequências de nova paralisação do transporte público
Publicidade - Anuncie aqui

A greve dos motoristas da Viação Itajaí está confirmada para vigorar a partir da meia-noite desta segunda-feira (22) em Itapira. A categoria pretende cruzar os braços em protesto contra a concessionária do transporte coletivo no município, que dispensou os cobradores obrigando os motoristas a exercerem também a função de cobrar as tarifas.

A greve foi anunciada na semana passada, depois que parte dos motoristas fizeram uma paralisação de advertência na Estação Rodoviária, no Jardim Soares. Segundo o presidente do Sindicato dos Condutores de Mogi Guaçu e Região, a Viação Itajaí se recusa a negociar com a categoria, que pleiteia o pagamento de gratificação de 5% da arrecadação tarifária pela atividade acumulada.

Além disso, os motoristas também querem que a empresa providencie local adequado e seguro para a conferência do caixa, o que hoje é feito no guichê da viação na Rodoviária. No meio de tudo isso, a população se mostra extremamente revoltada com o serviço prestado pela concessionária, que não oferta qualidade, apresentando atrasos, mudanças em itinerários e veículos com manutenção precária.

As reclamações, inclusive, geraram manifestação de repúdio da Prefeitura, que teceu duras críticas à empresa, que por sua vez preferiu não fomentar a polêmica e optou pelo silêncio com relação às críticas da administração. Entretanto, enviou nota ao Itapira News afirmando que o contrato com o município está defasado e que, hoje, a situação econômico-financeira de suas atividades está comprometida.

A greve, segundo o Sindicato, deverá ser deflagrada durante a madrugada, segundo o presidente do Sindicato, Gessy Alves de Oliveira. “Os ônibus costumam deixar a garagem da empresa por volta das 4h30, então às 3h00 já estaremos na porta convocando os motoristas a aderirem ao movimento”, comentou. O sindicalista voltou a dizer que a Itajaí tem se portado de maneira “intransigente” e lamentou que a situação “tenha que chegar a este ponto”. “É uma pena, sabemos que isso prejudica a população, mas o Sindicato tem a obrigação legal de zelar pelos direitos dos trabalhadores. A empresa está usando os motoristas para pressionar a Prefeitura para melhorar sua parte financeira, mas o Sindicato não tem nada a ver com a Prefeitura e nem com a empresa. Defendemos os trabalhadores, que estão sendo prejudicados”, afirmou o sindicalista, garantindo que as mesmas reivindicações que motivaram a paralisação estão mantidas para a greve.

Por força de lei, o Sindicato pode paralisar até 70% do serviço, considerado essencial para a população. Com isso, cinco das oito linhas que abrangem área urbana e zona rural poderão se afetadas, caso haja adesão dos profissionais. A Viação Itajaí alega que a função de cobrador exercida por motoristas é legal e não demanda o pagamento de comissão. “Outro fato, é que a data base da Itajaí para negociações acontece no mês de maio, portanto, não seria o momento para discutir este ou qualquer outro pleito”, defenda a empresa. A concessionária afirma que sua situação financeira é “caótica” devido à falta de equilíbrio econômico-financeiro do contrato vigente com o município. “A defasagem tarifária é de 40,3%, defasagem essa que vem sendo acumulada ao longo do contrato, sem reposição”. Apesar disso, a Prefeitura já concedeu subvenções econômicas superiores a R$ 100 mil à empresa, bem como autorizou dois reajustes tarifários no ano passado. “Sobre a ameaça de greve é necessário esclarecer para a sociedade em geral que, pelo fato do transporte coletivo constituir-se serviço essencial, o Sindicato dos Condutores tem a obrigatoriedade legal de manter os serviços em funcionamento, não podendo a sociedade ser tolhida de tal serviço essencial”, defendeu a empresa.