publicidade
colaborou Eric Apolinário

Há exatos 100 anos, no dia 5 de novembro de 1921, Itapira vivia um dia bastante especial. A cidade recebia o governador do Estado de São Paulo – na época chamado de ‘presidente estadual – Washington Luís.

Ele havia assumido o governo no dia 1º de maio de 1920 e a visita ao município itapirense era justificada pela inauguração de uma nova estrada que ligaria Itapira à então ‘Estância do Dr. Tozzi’ – atualmente a cidade de Águas de Lindóia.

Foi durante essa visita que Itapira ganhou um apelido mais que carinhoso, emprestado pelo próprio Washington Luís: ‘A Linda’.

O termo foi mencionado em um discurso do então governador que viria a ser presidente do Brasil e registrado pelo jornalista Roberto Moreira, do jornal ‘O Estado de São Paulo’, que acompanhava a comitiva para cobrir os eventos.

Na divisa com Serra Negra, ao lado de uma usina elétrica, Washington Luís disse: “ao partir, momentos antes, de Itapira, a linda, de Itapira, a cidade das iniciativas arrojadas e benéficas…”.

O pesquisador e historiador Eric Apolinário lembra que a viagem continuou por Lindóia e Águas de Lindóia. No retorno, a comitiva passou novamente por Itapira e seguiu para Mogi Mirim, Mogi Guaçu e Espírito Santo do Pinhal.

“Durante as gerações seguintes, a cidade adotou o apelido de ‘A Linda’, e como diz o ditado: “quem conta um conto, aumenta um ponto”, cronistas, memorialistas e escritores fizeram com que este evento ficasse marcado na história da cidade”, diz Apolinário.

Ele lembra ainda que o próprio Hino de Itapira eternizou este momento – “ó linda, linda ela foi batizada”. “Todos sabem que ‘Itapira, A Linda’ é uma expressão que aprendemos ainda na infância, mas quase ninguém conhece o acontecimento que gerou essa expressão. Evento este, que completa 100 anos neste dia 5 de novembro”, diz.

Em sua passagem por Itapira, Washington Luís visitou o Parque Municipal, onde é possível ver parte da antiga fonte de água (Acervo Museu Republicano de Itú)
  • EVENTO HISTÓRICO

O historiador lembra também que naquela data o trem chegou a Itapira anunciado por 21 estampidos de morteiros.

“A comitiva, recebida com festa, entrou em carros e se dirigiu até a Praça da Matriz, subindo a rua José Bonifácio toda enfeitada. Na Praça, alunos do Grupo Escolar, escolas particulares e os jovens da linha de tiro aguardavam perfilados, enquanto as bandas tocavam hinos e músicas festivas. A carreata seguiu até o sobrado do prefeito Francisco Vieira,  que foi demolido em 2020”

Para a recepção da comitiva, o então prefeito, Francisco Vieira, designou Miguel Cardim, professor do Grupo Escolar Júlio de Mesquita para ser o encarregado de preparar a festa.

Na entrada da praça foi construído um arco de 6 metros de altura por 4 metros de largura, pintado por Luiz Del Picchia, pai de Menotti. Um almoço foi organizado no Clube XV de Novembro com a participação de autoridades políticas e civis locais e regionais,

“Depois de diversas visitas no município, as autoridades foram até o cruzamento das atuais ruas XV de Novembro e Comendador João Cintra, onde começava a estrada até as Thermas (Águas de Lindóia)”, conta Eric Apolinário.

O governador do Estado na famosa escadaria do Júlio Mesquita (Acervo Museu Republicano de Itú)

Ali, outro arco em formato de portal havia sido desenhado e construído por Victório Coppos, famoso projetista e construtor daquele período, o responsável pela pintura foi um italiano de nome “Terribili”. No alto deste portal havia a frase: “Via Vitae – Salve Dr. Washington Luís”.

No discurso de inauguração, representando Itapira, a fala foi do advogado Mário da Fonseca, que batizou a estrada de “Via Vitae” (A Estrada é a Vida) – expressão latina que, segundo ele, representaria a função dessa estrada, que traria “riqueza, prosperidade e civilização”.

Após aplausos, Washington Luís recebeu uma tesoura e cortou a fita inaugural da estrada, entrando logo em seguida em seu carro e partindo para as Thermas.

Print Friendly, PDF & Email

Publicidade - Anuncie aqui