Horário de Verão vai começar (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

O horário brasileiro de verão começa à meia-noite deste domingo (4). Os relógios devem ser adiantados em uma hora nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal.

Como a mudança ocorre no primeiro dia da prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), a recomendação é para que os estudantes entrem no ritmo de adaptação, para não serem prejudicados na data da avaliação. Nos dias 4 e 11 de novembro, 5,5 milhões de estudantes em todo país farão a avaliação.

Geralmente o horário de verão começa em outubro, mas foi postergado para novembro em virtude do segundo turno das eleições – o pleito ocorreu domingo passado. O governo chegou a anunciar que adiaria o início para 18 de novembro, por causa de um pedido feito pelo Ministério da Educação para não prejudicar os candidatos do Enem, mas recuou.

A negativa do Palácio do Planalto ao pedido veio após estudo de viabilidade feito pelos ministérios de Minas e Energia e Transportes. Segundo a assessoria do governo federal, a análise concluiu a inviabilidade de nova mudança no horário de verão, sem mais detalhes. Na época em que foi anunciado o adiamento para 18 de novembro, a medida foi criticada pela Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas).

Segundo a associação, a mudança da data acarretaria ‘sérias consequências’ ao planejamento das operações e, consequentemente, para quem adquiriu passagens antecipadamente, afetando 3 milhões de passageiros. A mudança segue até 19 de fevereiro de 2019. O objetivo da iniciativa é melhorar o aproveitamento da luz natural pela população e reduzir o consumo de energia nos horários de pico, das 18h00 às 21h00.

A CPFL Paulista estima a economia de energia elétrica de 0,39% durante o período do horário de verão nos 234 municípios de abrangência da empresa. O volume representa o suficiente para atender 16,1 mil famílias por um ano. O percentual seria suficiente para abastecer Campinas (SP).