Relógios devem ser ajustados em dez estados brasileiros (Renato Araújo/ABr)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Relógios devem ser ajustados em dez estados brasileiros (Renato Araújo/ABr)
Relógios devem ser ajustados em dez estados brasileiros (Renato Araújo/ABr)
Publicidade - Anuncie aqui

O horário brasileiro de verão começa a vigorar a partir da meia-noite deste domingo (19) em 10 estados, mais o Distrito Federal. Com isso, os moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-oeste devem adiantar seus relógios em uma hora.

Nos estados do Norte e Nordeste o horário permanece inalterado. Nesta edição, o período de vigência será maior, com 126 dias, terminando somente no dia 22 de fevereiro de 2013.

O principal objetivo da mudança é a economia de energia. De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), com uma hora a mais de luz natural no período, a expectativa é de que a demanda no horário de pico diminua 2.595 MW – uma redução que varia de 4,5% a 5% das cargas totais dos subsistemas. A economia prevista é de e aproximadamente R$ 278 milhões, em função da diminuição de geração térmica.

No Brasil, o primeiro horário de verão foi realizado entre 1931 e 1932, pelo presidente Getúlio Vargas, com duração de 5 meses. A prática vem sendo adotada sem interrupções desde 1985, com algumas diferenças nos estados que aderem à mudança e os períodos de duração.

Em 2008, o decreto 6.558 definiu as datas para a mudança de horário e fixou a duração da medida em quatro meses. Assim, ficou estabelecido que o horário de verão começa no terceiro domingo de outubro e termina no terceiro domingo de fevereiro. A única exceção ocorre quando o terceiro domingo de fevereiro coincidir com o domingo de Carnaval. Nesse caso, o horário de verão termina no quarto domingo de fevereiro.

A ideia de adiantar a hora oficial em períodos de ver]ao foi lançada em 1784 por Benjamim Franklin, político e inventor americano. O primeiro país a adotar oficialmente o horário de verão foi a Alemanha, em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial, para economizar os gastos com carvão.