Publicidade    
Nasi se apresenta no Capitão Black
Nasi se apresenta no Capitão Black
Publicidade - Anuncie aqui

Itapira recebe, no próximo sábado, 10, o cantor e compositor Nasi, ex-vocalista de um dos maiores ícones do rock nacional, o grupo Ira!. O show intimista, limitado a 300 pessoas, integra a turnê do mais recente disco, ‘Perigoso’, e acontece no Capitão Black Pub. O repertório passa por sucessos da banda paulistana e pela carreira solo do artista, além de espaço garantido para homenagens a nomes como Raul Seixas, Legião Urbana, Cazuza, Plebe Rude, entre outros.

A produção é uma parceria ente a direção do Capitão Black com a produtora Festa Rock Itapira e o Portal Megaphone, veículo online de informação cultural. Os convites são limitados e estão no segundo lote, com venda ao preço de R$ 50,00, e podem ser adquiridos online, no site da Ticket Brasil (www.ticketbrasil.com.br) ou diretamente no Capitão Black.

O evento também oferece opções de camarote open bar e mesa de frios, para patrocinadores ou convidados VIP. Neste caso, o interessado deve conversar com a organização. Recentemente, Nasi se apresentou com sua banda no Festival de Inverno de Socorro (SP), em show que em nada deixou a desejar aos bons e velhos tempos do Ira!. Ao final do evento, ele conversou com a reportagem do Megaphone.

Bem humorado enquanto atendia os fãs, fez piada sobre sua idade – 52 anos – mas garantiu que mantém a mesma energia de sempre. “Já estou velhinho, mas ninguém canta como eu canto”, brincou. Com 30 anos de carreira, Nasi disse que suas apresentações sempre costumam ser espontâneas, com espaço para atendimentos dos pedidos do público. Ou não. “Nunca briguei com fã que pede música pra mim. Se quiser pedir, pode pedir. Se eu não tocar, vou fingir que não ouvi”, disse, rindo.

Fã declarado de Raul Seixas, a quem constantemente faz questão de citar e homenagear, o cantor frisou que o famoso bordão ‘toca Raul’ não é necessário em seus shows, para que o público o veja relembrando algum sucesso do ‘maluco-beleza’. “Mas, também, se o público não responder legal, toco só duas e paro”, cravou. Sobre o novo disco, que agora está sendo lançado também em vinil, Nasi não perdeu o tom irônico e disse que a aceitação está sendo boa. “Dentro dos limites da indústria fonográfica, hoje, está sendo muito boa. Aliás, foi um disco que não me custou nada, a gravadora me pagou (risos), e as pessoas estão ouvindo muito”, enfatizou. Quanto ao significado do nome, ‘Perigoso’, ele não fez rodeios: “assim vende mais. Se eu colocasse ‘Nasi Bonzinho’ ou ‘Nasi Bondoso’ não venderia”, responde, às gargalhadas.

Já sobre fazer shows menores, em locais mais intimistas, como o que acontece em Itapira, o artista também não se fez de rogado. Explicou que não faz diferenciação e, de novo, cravou, em meio a risos: “eu vou aonde me pagam pra ir”. “Acho que não tem diferença. Se tiver cinco pessoas ou cinquenta mil. Se tiver pouca gene, tocamos mais ainda. Acha que o Ira! Não enfrentou isso? Eu, particularmente, gosto de som abafado. Eu já toquei pra dois milhões de pessoas, como no caso do réveillon da Avenida Paulista, na virada de 2001 pra 2002. E, sinceramente, toquei como se fosse playback. O público era imenso e ficava a cerca de 200 metros da gente. Eu sinto mais emoção quanto toco num clube fechado para 500 pessoas, do que quando toquei nessa virada. Não importo se tem muita gente na frente, se estão filmando e transmitindo para o Brasil inteiro. Isso é irreal, esse tipo de coisa não é o mundo real”, finalizou.

Outras informações sobre o show do Nasi em Itapira podem ser adquiridas pelo email imprensa@portalmegaphone.com.br, festarock@yahoo.com.br ou contato@capitaoblack.com.br. Detalhes também pelos telefones (19) 3863-7272, 9710-0426 e 8814-6437. O Capitão Black fica na Avenida Jacareí, 64, na Santa Cruz. Na portaria, os valores dos convites devem sofrer alterações. A censura é de 18 anos.