IPT fez visita técnica em Itapira (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

As áreas consideradas de risco em Itapira serão objeto de novo mapeamento do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas).

Na prática, a ação visa identificar pontos com potencial risco de enchentes, alagamentos e deslizamentos de terra, definindo a classificação desses locais de acordo com o grau dos riscos envolvidos.

As avaliações técnicas foram realizadas na última segunda-feira (25) pela Seção de Investigações, Riscos e Desastres Naturais do IPT. O município foi selecionado ao lado de diversas outras cidades paulistas para receber o trabalho do órgão, executado em parceria com a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil.

A visita técnica foi comandada pelo pesquisador Marcelo Fischer Gramani, que foi recepcionado por representantes de diferentes setores da Prefeitura para que juntos discutissem os pontos que mereceriam atenção do IPT.

Após a reunião prévia, foram definidos seis pontos para vistoria: o bairro José Tonolli, a ponte da Rodovia SP 352, a área da antiga escolinha da Rua Milico, o morro do Parque, a ponte do Flávio Zacchi e o bairro Assad Alcici.

Os resultados das análises agora serão reunidos em mapas, imagens e documentação fotográfica e dados geográficos que fundamentarão o relatório técnico com informações sobre as áreas, setores de riscos, tipologia do processo (deslizamento, enchente, inundação e solapamento de margem) e sugestões de possíveis intervenções para eliminar ou reduzir os riscos identificados.

Conforme explica o coordenador da Defesa Civil de Itapira, Romeu Job Souza, que acompanhou toda a vistoria, nenhum dos pontos apresentou risco e todos foram classificados como ‘Risco Baixo’, o menor na escala do IPT.

De acordo com ele, o trabalho ajudará a compor, de forma mais consistente, o Plano de Ação e Contingenciamento do município. “Foi uma visita muito positiva. Agora o instituto irá elaborar um documento que é o Mapeamento das Áreas de Risco de Itapira e nos enviará para que possamos traçar diretrizes de ações”, avaliou Job.

Na região, além de Itapira, cidades como Aguaí, Rio Claro, Itobi, Pinhalzinho, Santa Cruz da Conceição, Santa Cruz das Palmeiras e Santo Antônio do Jardim também receberão o mapeamento. O trabalho também acontece em municípios como Ilha Comprida, Cajati, Itariri, Juquiá, Praia Grande e Sarapuí.