Paganini e Boretti ao vencerem as eleições de 2012; agora, vice poderá ser cassado (Leo Santos)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Paganini e Boretti ao vencerem as eleições de 2012; agora, vice poderá ser cassado (Leo Santos)
Paganini e Boretti ao vencerem as eleições de 2012; agora, vice poderá ser cassado (Leo Santos)
Publicidade - Anuncie aqui

O destino político do vice-prefeito de Itapira, Antônio Eduardo Boretti (PCdoB), o Dado, será definido nesta segunda-feira (2), em sessão secreta de julgamento na Câmara Municipal.

O procedimento tem início às 9h00, quando será apresentado o relatório final da Comissão Processante que acatou pedido para investigar possível envolvimento do vice-prefeito em irregularidades no Saae (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) – autarquia da qual foi presidente.

O pedido de cassação partiu do próprio prefeito José Natalino Paganini (PSDB) no ano passado. A investigação acontece desde o final de agosto. Durante a sessão secreta, a decisão apontada pela Comissão Processante deverá ser votada pelos vereadores que compõem a atual legislatura. A maioria dos votos determinará a validade da decisão, seja pela cassação ou pela absolvição de Boretti das acusações.

A comissão é composta pelo líder da bancada situacionista, Maurício Cassimiro de Lima (PSDB), que preside o grupo de investigação; além do também situacionista Luiz Antônio Machado (PTC), como relator, e o opositor Rafael Donizete Lopes (PROS) como membro. No início do mês, também em sala com portas fechadas, a Comissão Processante ouviu os depoimentos de Boretti e de Paganini, além do atual presidente do Saae, José Armando Mantuan, e servidores da autarquia.

Na sessão de julgamento, cada parlamentar poderá opinar sobre o caso e apresentar suas justificativas de voto. Os advogados das partes poderão falar por até duas horas. Após a decisão, o relatório perderá o caráter sigiloso e poderá ser consultado por qualquer cidadão. Para pedir a cassação do próprio vice, o prefeito tomou por base o resultado de uma sindicância interna realizada no Saae e que apontou a possibilidade de desvios na ordem de R$ 2 milhões entre janeiro de 2008 e junho de 2013, período em que Boretti presidiu a autarquia.

O vice-prefeito figura como corresponsável na sindicância. Ele presidiu a autarquia em duas oportunidades, entre março de 2010 a março de 2012 e entre janeiro a junho do ano passado – período no qual já ocupava o grupo governista. As supostas irregularidades no Saae já motivaram a exoneração de dois servidores de carreira. Boretti se uniu ao atual grupo que governa a cidade para disputar as eleições de 2012. Até então, ele era alinhado ao governo de Antônio Hélio Nicolai, o Toninho Bellini, que administrou o município entre 2005 e 2012. Ao se unir ao grupo de Paganini, ele foi apresentado como candidato a vice-prefeito na chapa que acabou vencendo as eleições. O processo de cassação chegou a ser paralisado pela Justiça local, decisão posteriormente derrubada em nível estadual.

Publicidade - Anuncie aqui