Fênix segue operando em Itapira (Arquivo)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

A concorrência pública para definir a nova concessionária do transporte público urbano em Itapira despertou o interesse de três empresas do setor. Os envelopes com a documentação dos proponentes foram entregues na última quarta-feira (26) à Secretaria Municipal de Recursos Materiais, em obediência aos dispostos no edital que rege a licitação.

A Expresso Fênix, que opera o transporte emergencialmente desde o ano passado, tenta permanecer na cidade. A Viação Mirage, que atuou durante quase 25 anos e que é sediada em Itapira, também deseja retomar o controle do serviço. A outra concorrente é a Na Montanha, empresa de Campos do Jordão (SP). A documentação foi recebida pela Comissão de Licitações, que agora está analisando a papelada.

A expectativa é que já na edição do Jornal Oficial de Itapira desta sexta-feira (28) seja publicada o resultado da análise, com as empresas habilitadas ou eventualmente inabilitadas para prosseguir no certame. Também já será anunciada a data de abertura do segundo envelope, contendo as propostas das empresas. A previsão é que isso ocorra no dia 9 de maio, caso não haja nenhum recurso ou outro imprevisto que afete o cronograma.

Na sessão de abertura das propostas já será conhecida a vencedora da licitação. O prazo de concessão onerosa previsto pelo edital é de 15 anos, com contrato estipulado em quase R$ 61 milhões. A Fênix opera o transporte em Itapira desde julho do ano passado, quando a administração rompeu o contrato com a Viação Itajaí, que atuava no município desde 2006. O contrato emergencial com a empresa, inicialmente de seis meses, já precisou ser prorrogado duas vezes – em janeiro e no início deste mês. A concorrência do transporte chegou a ser paralisada por determinação do TCE-SP (Tribunal de Contas do Estado de São Paulo) em atendimento a uma representação formulada por um munícipe de Botucatu (SP). Por isso, o certame ficou suspenso entre dezembro e o mês passado, quando o tribunal deu o aval para que a Prefeitura continuasse com a licitação mediante adequações no edital.