Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

A Prefeitura fez a apresentação oficial da marca comemorativa aos 200 anos de emancipação político-administrativa de Itapira, marco a ser atingido no dia 24 de outubro de 2020.

O evento aconteceu no auditório principal da Acei (Associação Comercial e Empresarial de Itapira) na noite da última quarta-feira (8), com presença do prefeito José Natalino Paganini (PSDB), representantes da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo e de outras pastas, vereadores e autoridades diversas, além de convidados.

Também acompanharam o ato representantes da imprensa e de diversos setores da sociedade civil. A marca batizada de ‘Itapira 200 Anos – Orgulho de Ser Itapirense’ foi concebida com o objetivo de personificar a celebração, utilizando imagens de personalidades locais que, de alguma forma, representam a população e sua história.

“Assim, o aniversário de 200 anos da cidade deixa de ser apenas uma comemoração em dia único e se torna um processo de resgate de memória e uma fonte de conhecimento das origens povo itapirense”, explica a Prefeitura. A criação da arte é assinada pelo designer Tiago Pompeu.

 

“Nós queremos resgatar o orgulho de ser itapirense. E para deixar esse sentimento mais objetivo traremos à tona alguns personagens que, ao longo de sua trajetória, levaram o nome de Itapira para o Brasil e, em alguns casos, para o mundo”, afirmou o prefeito José Natalino Paganini.

Para comemorar o Bicentenário de Itapira, a Prefeitura está montando um cronograma de eventos para o ano todo envolvendo todas as secretarias municipais. Mensalmente, através da imprensa local e regional e através das redes sociais oficiais da Prefeitura de Itapira (Facebook, Instagram, Site e Aplicativo) e de suas secretarias, será divulgado o calendário de atividades com datas, locais e horários.

“Estamos montando um calendário que envolva toda a comunidade, com temáticas diferenciadas e muitas dessas atrações também irão circular pelos bairros da cidade”, adiantou a secretária municipal de Cultura e Turismo, Tamires Ponces.

clique para ampliar

  • Marca

A ideia da marca ‘humana’ tem como intuito criar um sentimento de aproximação, união e orgulho de todos os munícipes. Os personagens foram inseridos em forma de silhuetas em painéis coloridos.

As cores vivas e marcantes escolhidas fortalecem o conceito de comemoração e, individualmente, representam o amor pela cidade (vermelho), o otimismo e a alegria (amarelo), a seriedade e harmonia (azul) e a esperança (verde).

A assimetria dos retângulos representam a naturalidade e simplicidade. As linhas retas e o uso do efeito de transparência refletem a seriedade e importância do bicentenário.

Tiago Pompeu é o criador da arte especial (Paulo Bellini/Itapira News)

Os homenageados na marca dos 200 anos de Itapira

 

José Barretto

O professor de Educação Física José de Oliveira Barretto Sobrinho é um dos ícones do esporte Itapirense. Em suas atividades registrou recordes nacionais e sul-americanos. Como professor e treinador de atletas marcou gerações que permanecem transmitindo seus ensinamentos.

Henricão

Henrique Felipe da Costa é um dos personagens mais importantes da história do samba de São Paulo. Como ator participou de filmes clássicos do cinema brasileiro, mas foi na música que tornou-se imortal. Henricão foi fundador da Escola de Samba Vai-Vai, uma das mais tradicionais do Brasil, em 1930. Foi ele que compôs a música “Está Chegando a Hora”, em 1942.

Regina Vieira

Itapira é conhecida como terra de mulher bonita e a modelo Itapirense Regina Maura Vieira representa todas as mulheres da cidade. Ela sagrou-se Miss Estado de São Paulo em 1956 e ficou com segundo lugar do Miss Brasil do mesmo ano.

Américo Bairral

Américo Firmino Machado, o Américo Bairral, nasceu em Itapira em 1884. Em 1914 foi um dos fundadores do Centro Espirita “Luiz Gonzaga”. Desenvolveu vários trabalhos sociais e mediúnicos ao longo de sua vida e foi homenageado com seu nome no maior hospital psiquiátrico da América Latina: a Fundação Espirita Américo Bairral, conhecido hoje como Instituto Bairral de Psiquiatria.

Preto Nabor

Nabor Honório, o Preto Nabor, nasceu durante a escravidão e viveu noventa anos, setenta deles dedicados à preservação da tradição, fé e cultura popular através da Congada.

Irmã Angélica

Maria Angélica Baldini dedicou sua vida à congregação Calvariana e deixou em Itapira um imenso legado de amor ao próximo. Fundadora do Lar São José, dedicou-se às crianças e aos enfermos atuando por mais de meio século na Santa Casa de Itapira. Recebeu uma justa homenagem dando seu nome ao Centro de Atendimento Integral de Saúde de Itapira (CAIS).

Virgolino de Oliveira

Personalidade destacada na história industrial do Estado de São Paulo, o Comendador Virgolino de Oliveira fundou a Usina Nossa Senhora Aparecida, uma das primeiras usinas de cana-de-açúcar do estado de São Paulo e do Brasil e que mantém suas atividades até hoje.

Menotti Del Picchia

O poeta deixou para cidade onde viveu boa parte da sua vida seu gabinete de pesquisa, livros originais, correspondências, fotografias e prêmios. Foi – ao lado de Mario de Andrade, Oswald de Andrade, Tarsila do Amaral e Villa Lobos – organizador da Semana da Arte Moderna de 1922, que revolucionou linguagens artísticas no país.
João Stevanatto e Ogari de Castro Pacheco
Em 1972 fundaram o Laboratório Cristália, um Complexo Industrial Farmacêutico, Farmoquímico, Biotecnológico, de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. O Cristália é pioneiro na realização da cadeia completa de um medicamento, desde a concepção da molécula até o produto final. Possui 107 patentes, sendo recordista nacional. Em anestesia, é líder de mercado na América Latina.

Joaquim Firmino

Joaquim Firmino de Araújo Cunha ocupava o cargo de delegado de polícia na então cidade Penha do Rio do Peixe e foi assassinado em 1888 por fazendeiros, acusado de dar guarida a escravos fugidos. Três meses depois, a Princesa Isabel assinava a Lei Áurea. Esse crime deu origem à mudança de nome da cidade de Penha do Rio do Peixe para Itapira.

Fia Preta

Benedita Teodoro Rosa, carinhosamente chamada de Fia Preta, viveu intensamente como uma das mais dedicadas organizadoras da Festa de Maio de Itapira. Integrante da Irmandade Católica de São Benedito, sempre atuou ajudando os mais necessitados.

Hideraldo Luiz Bellini

O Itapirense Hideraldo Luis Bellini foi o capitão da Seleção Brasileira na Copa de 1958, sagrando-se campeão mundial. Quando recebeu a taça Jules Rimet ergueu-a sobre a cabeça num gesto que foi eternizado e copiado dali em diante por todos os vitoriosos do esporte mundial.

 

Publicidade - Anuncie aqui