Viaturas da Polícia Civil de Itapira se movimentaram pela manhã em cumprimento de mandados
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

Uma operação de nível nacional deflagrada nesta quinta-feira para combater a pedofilia e pornografia infantil teve dois mandados de busca e apreensão cumpridos em Itapira. Ao todo, a operação desencadeada pela Polícia Civil após investigação do Ministério Extraordinário da Segurança Pública atinge 24 estados, além do Distrito Federal.

Ao todo, são cumpridos quase 600 mandados de busca e apreensão. Em Itapira, até o momento, não houve prisões, segundo o delegado titular Anderson Cassimiro de Lima. Por enquanto, a polícia não divulgou nomes para não atrapalhar o andamento da operação e das investigações. As buscas nos endereços foram feitas por delegados e investigadores do SIG (Serviço de Investigações Gerais).

O que a reportagem conseguiu apurar é que, ao menos em um dos endereços, na região do bairro Santa Fé, o suspeito está residindo fora do país há alguns meses, e a família desconhecia totalmente qualquer envolvimento relacionado aos crimes investigados. Na região, até o momento, as informações dão conta de que somente em Itapira ocorrem as buscas dentro da operação.

O delegado afirmou que todas as orientações para as buscas vieram de São Paulo. O trabalho integra a segunda fase da operação ‘Luz na Infância’, cuja primeira parte ocorreu em 20 de outubro de 2017. Ao todo, até por volta das 10h00, 100 pessoas já haviam sido presas no país. As prisões em flagrante somente ocorrem quando encontrados materiais de origem ilegal em computadores, por exemplo.

Ao todo, mais de 2,6 mil policiais participam da operação que apreende também arquivos com conteúdos pornográficos de crianças e adolescentes. Os alvos foram identificados pela Diretoria de Inteligência da Secretaria Nacional de Segurança Pública com base em elementos informativos coletados em ambientes virtuais. A operação é realizada às vésperas do Dia Nacional de Combate à Violência e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. A reportagem segue acompanhando o caso.