Cidades da região decretaram estado de emergência (Divulgação)
publicidade

As prefeituras de Mogi Guaçu, Mogi Mirim e de Estiva Gerbi decretaram situação de emergência nesta segunda-feira (28) ante à crise provocada pelo desabastecimento em razão da greve dos caminhoneiros. Os atos servem para preservar o funcionamento dos serviços públicos essenciais, garantindo atendimento básico às demandas dos cidadãos.

“A Prefeitura, atenta aos desdobramentos da situação nacional referente ao desabastecimento de combustível no país, constatou que os serviços públicos essenciais, ainda possuem a estrutura necessária pelos próximos dias. Contudo, sem a garantia de uma perspectiva sobre as negociações para o término da paralisação dos caminhoneiros, o prefeito Carlos Nelson decretou situação de emergência no município”, informou nota da administração de Mogi Mirim.

A iniciativa prevê que a Prefeitura adote medidas que futuramente possam ser necessárias ao município, a fim de assegurar a prestação dos serviços à população. Em situação extrema, caso persista a paralisação pelos próximos dias, o decreto estabelece ainda que as empresas que passarem a ter combustíveis e gás de cozinha deverão assegurar como prioridade o atendimento aos serviços públicos essenciais.

Mais cedo, Mogi Guaçu e Estiva também já haviam decretado situação de emergência. “O decreto assinado pela prefeita Claudia Botelho, estabelece a suspensão das aulas em todas as escolas da rede municipal de ensino até o dia 6, quarta-feira. O expediente nas repartições públicas estão suspensos até o dia 06, com exceção aos serviços essenciais. O Paço Municipal irá funcionar normalmente, estando dispensados os servidores não residentes em Estiva Gerbi. O decreto classifica como prioridade e portanto, não haverá interrupção dos serviços públicos: Saúde (pronto socorro / resgate e socorro emergencial / transporte e remoção de pacientes em situação emergencial), Segurança Pública (Guarda Civil Municipal e Defesa Civil), Obras (coleta de lixo) e DAE (abastecimento de água)”, destaca nota emitida pelo governo de Estiva.

No Guaçu, o decreto assinado pelo prefeito Walter Caveanha deixa expresso que todas as empresas que comercializarem combustíveis em Mogi Guaçu devem assegurar prioridade no atendimento de serviços essenciais. O decreto classifica como serviços essenciais: saúde (nos casos classificados como urgência e/ou emergência, distribuição de insumos e medicamentos), educação (distribuição de gêneros alimentícios para estabelecimentos educacionais), transporte coletivo urbano, coleta de lixo, segurança pública e defesa civil. O decreto terá validade até que o fornecimento de combustível seja normalizado.

Print Friendly, PDF & Email

Publicidade - Anuncie aqui