Gaúcho é o 'dono' da árvore natalina no Jardim Soares (Itapira News)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

Bastante conhecido especialmente na região do Jardim Soares e Pé no Chão, o desempregado Elton Luiz, 56 anos, popularmente chamado de Gaúcho, utilizou uma árvore na Avenida Henriqueta Soares para fazer sua própria árvore de natal.

Com adereços típicos da decoração natalina e muita criatividade, utilizando até garrafas plásticas e brinquedos, ele enfeitou a árvore que fica perto do local em que costuma lhe servir de abrigo na maior parte do tempo juntamente de seus dois cães.

A árvore ornamentada vem chamando a atenção das pessoas que passam pela via – algumas até mesmo param para tirar fotos. “Faço isso já há alguns anos, mas agora, com a internet, as pessoas colocam no Facebook”, disse à reportagem do Itapira News em referência à visibilidade que sua criação obteve nas redes sociais. “O pessoal daqui de perto me mostrou, muita gente gosta”, completou.

Mas, infelizmente, parece haver algumas exceções. Gaúcho conta que já furtaram alguns dos enfeites e danificaram outros. “Mas aí eu coloco de novo, uso o que vou achando pelas ruas ou ganho, e aí fica bonito, né? É o espírito natalino que me motiva, faz bem”, conta.

Gaúcho cuida do espaço e adora animais: marmita é dividida com os cães (Itapira News)

Ele ganha a vida recolhendo materiais recicláveis que vende para garantir a alimentação. “Sempre que posso, prefiro pagar pela comida. Não sou de ficar pedindo”. Ele afirma que está há alguns anos na rua. “Trabalhava como jardineiro em uma empresa que fechou. A coisa apertou e não consegui mais pagar o aluguel. Sou do Rio Grande do Sul e não tenho mais contato com a família. Então fiquei por aqui, mesmo, na rua. Dormi muito tempo ao relento, mas hoje tem um senhor que me deixa dormir em um barracão aqui perto. E esse lugar aqui eu cuido, deixo limpinho”.

De fato, o local que fica defronte ao Supermercado Jardim está muito bem cuidado. Há até um quadro de Jesus Cristo em uma árvore. Todos os dias ele varre a terra, junta o lixo, deixa tudo organizado. “Todo mundo aqui me conhece, várias pessoas me ajudam. Nunca fiz maldade pra ninguém, felizmente sou querido aqui. E cuido dos meus cachorros, se eu pegar uma marmita, metade é minha, metade é deles. E cuido dos passarinhos também, gosto muito das criações”, finaliza.