Situação precária de vias do loteamento gera reclamações (Paulo Bellini/ItapiraNews)
publicidade

Moradores do Loteamento de Chácaras Maniezzo, na região do distrito de Barão Ataliba Nogueira, estão bastante insatisfeitos com a falta de atenção da Prefeitura com relação à manutenção das estradas do bairro.

Principalmente em épocas de chuvas, as vias em terra, sem asfalto, se tornam praticamente intransitáveis, gerando diversos transtornos a quem precisa trafegar pelo local.

O problema já é antigo e, inclusive, foi alvo de um Termo de Ajuste e Compromisso firmado pela administração do prefeito José Natalino Paganini (PSDB) em julho de 2020, que atribuiu mais custos aos moradores, além do IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano), sob a promessa de que o local receberia manutenção constante e, no futuro, até mesmo um possível asfaltamento.

“Até deram uma tapeada na época, passaram a máquina, mas depois não teve mais qualquer manutenção e hoje tudo está no mesmo estado em que estava antes. A Prefeitura parou de fazer a manutenção e ninguém foi mais ver a situação”, relata o gerente comercial Ricardo Brandão, 45, que há dois anos reside no loteamento.

Embora esteja localizado em uma região rural, o loteamento é configurado como área de chácaras de recreio, o que demanda o pagamento de IPTU pelos proprietários dos 106 lotes.

Brandão lembra que após o termo fixado junto à Prefeitura, cada morador precisou desembolsar pouco mais de R$ 1.400,00, valor dividido em 18 parcelas, para custear parte dos investimentos na construção de guias, sarjetas e galerias de águas pluviais.

“Nessa época as ruas estavam totalmente instransitáveis, com muitos buracos. Uma taxa foi cobrada de todos os moradores e quem não pagou foi para a Dívida Ativa. Quando nós cobramos as melhorias, eles respondem que estão avaliando, ou que estão cheios de serviço, ouotra hora a máquina está quebrada, cada hora é uma coisa”, comenta o morador.

De acordo com ele, após as fortes chuvas ocorridas reentemente a situação ficou ainda pior no loteamento. “Eu moro em uma parte plana, mas a água não tem saída e retorna para dentro de casa. Quem mora mais para cima às vezes nem consegue entrar na garagem por causa das crateras que se abrem”, ilustra Brandão.

Brandão é um dos moradores insatisfeitos com falta de manutenção no bairro (Paulo Bellini/ItapiraNews)
  • OUTRO LADO

Questionada pela reportagem do Itapira News a respeito das reclamações, a Prefeitura disse que está analisando o caso para iniciar as obras necessárias e melhorar a situação das ruas do loteamento, garantindo novamente que o serviço de manutenção será feito regularmente para evitar os transtornos.

Em nota, a administração também mencionou o termo fixado junto aos proprietários das cháracas.

“Foi acordado juntamente com os moradores durante a administração passada a construção de guias, sarjetas e galerias pluviais. Tais obras foram divididas entre a prefeitura e os moradores (o que justifica o carnê de obras que é pago pelos mesmos mensalmente)”, destacou o texto.

Situação crítica piora ainda mais quando chove (Paulo Bellini/ItapiraNews)

A Prefeitura afirmou ainda que na época da reunião houve uma “tentativa de acordo referente ao asfaltamento entre a Prefeitura e os moradores”, sendo que os proprietários declinaram em razão do alto custo que teriam que arcar.

“Nos casos de chácaras de recreio o pagamento de IPTU não pressupõe o asfaltamento como obrigatoriedade da Prefeitura (visto que esta configuração prevê um fluxo baixo de circulação de veículos), e sim manutenções periódicas, bem como iluminação e coleta de lixo”, finalizou a nota.

Print Friendly, PDF & Email

Publicidade - Anuncie aqui