Casal vive drama após morte da filha recém-nascida (Paulo Bellini/Itapira News)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

A morte de uma recém-nascida no Hospital Municipal de Itapira na madrugada da última terça-feira (5) é alvo de investigação da Polícia Civil.

A Prefeitura também apura o caso, cuja história viralizou nas redes sociais após publicação de desabafo dos pais. A mãe, adolescente de 15 anos, estava com oito meses e seis dias de gestação. A morte da menina que se chamaria Alice Emanuely ocorreu momentos após o parto.

Em boletim de ocorrência por “morte suspeita” registrado na Delegacia, o pai da criança – um jovem de 18 anos – afirma que a médica responsável pelo parto teria batido a cabeça da criança em uma mesa que abrigava instrumentos cirúrgicos assim que a bebê nasceu.

Depois disso, segundo o relato do pai, a criança foi levada à incubadora, onde passou a registrar com ajuda de aparelhos, entrando em óbito cerca de uma hora depois.

A Secretaria Municipal de Saúde informa que está “empenhara em elucidar as dúvidas em relação ao atendimento prestado durante a internação”.

O delegado titular de Itapira, Anderson Cassimiro de Lima, informou que já colheu o depoimento dos pais nesta quarta-feira (6) e que aguarda a chegada do laudo necroscópico da recém-nascida, para então decidir pela abertura ou não do inquérito.

  • ATENDIMENTO

O pai da menina, Matheus Vinicius Nóbrega da Silva, diz que a adolescente começou a apresentar dores na noite de segunda-feira (4). O casal foi ao Pronto Socorro do Hospital Municipal, mas os dois acabaram voltando pra casa após a médica informar que a dilatação estava com um centímetro e que as dores seriam oriundas das chamadas “contrações de treinamento”.

Em casa, ainda segundo os relatos do pai, a gestante voltou a sentir dores fortes, teve sangramento e falta de ar, com o casal retornando ao Hospital Municipal. A mesma médica informou então que a dilatação estava em aproximadamente sete centímetros e que seria feito o parto.

Silva conta ainda que, ao saber da morte da filha, não conseguiu obter nenhuma informação sobre o que teria ocorrido. “Ninguém nos disse o real motivo da morte da nossa neném”, lamentou. O relato feito pelos pais viralizou nas redes sociais e regou muita repercussão, ganhando até mesmo o noticiário televisivo regional nesta quarta-feira.

  • LAUDO

O CREMESP (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) informou que “poderá abrir sindicância para apurar se houve indícios de má conduta profissional”. A Secretaria de Saúde disse que se solidariza com a perda e que entende o sofrimento e dor dos pais.

“A Secretaria informa ainda que está ao aguardo do laudo do Serviço de Verificação de Óbitos do Estado de São Paulo” e que “a fim de esclarecer todos os fatos a investigação segue em sigilo profissional”.

A nota enfatiza ainda que a “Secretaria confia em seus colaboradores e conhece a idoneidade e postura ético-profissional de cada um”. A expectativa é que o laudo que deverá apontar o motivo da morte da recém-nascida chegue até sexta-feira (8).