Uma ocorrência versando sobre suposta situação de cárcere privado em Itapira mobilizou equipes da Polícia Civil e da GCM (Guarda Civil Municipal) na tarde da última quinta-feira (3).

O caso aconteceu em uma rua da Vila Penha do Rio do Peixe, e envolveu até mesmo disparos de arma de fogo que assustaram moradores próximos.

Mantenha-se bem informado: curta nossa página no Facebook, siga-nos no Instagram e também pelo Twitter

No final, a denúncia não se confirmou e agora o assunto está sob investigação do SIG (Serviço de Investigações Gerais).

O delegado Anderson Cassimiro de Lima disse que um indivíduo chegou à Delegacia de Polícia afirmando que suas filhas estariam em casa sendo mantidas reféns de integrantes de organização criminosa.

Afirmou ainda que ambas estariam na mira de armas de fogo e que ele conseguiu fugir e por isso estava pedindo ajuda. De pronto, uma operação foi montada sob o comando do delegado titular.

“Diante da gravidade da situação relatada, viaturas da Polícia Civil com apoio da GCM se dirigiram ao local informado”, comentou Dr. Anderson. Além dele, os investigadores Chaim e Nilton também se deslocaram.

Foi realizado um cerco e dado comandos de voz comunicando que os supostos criminosos estavam cercados, mas não houve qualquer resposta. Os policiais, entretanto, perceberam que havia movimentação dentro da casa.

Foram então realizados disparos para arrombar o portão, com as equipes ingressando no interior da residência. Lá dentro foi detido um homem, e a ex-esposa do homem que foi à Delegacia também estava no local, junto das filhas, todas em perfeito estado de saúde e com a integridade física preservadas.

“No apurado até o momento, nada conduz com a notícia inicial do suposto cárcere privado. O denunciante, aproveitando a extrema movimentação policial, se evadiu, mas está devidamente qualificado. A família está bem, apesar de assustada e sem entenderem a motivação do acontecido”, relatou o delegado.

De acordo com ele, agora o homem que fez a denúncia infundada, que tem aproximadamente 30 anos, deverá ser convocado para prestar esclarecimentos. Um boletim de ocorrência foi registrado para apurar os fatos.

Publicidade - Anuncie aqui