Coleta de escorpiões acontece nos cemitérios de Itapira (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

A Divisão de Zoonoses da Secretaria Municipal de Saúde de Itapira retomou as operações de captura de escorpiões no Cemitério Municipal da Saudade.

Os trabalhos foram iniciados no início deste mês e já resultaram na coleta de grande quantidade de animais peçonhentos, que agora serão encaminhados ao Instituto Butantã.

As operações estavam suspensas há cinco meses em razão do clima mais frio, condição na qual a reprodução dos bichos é bem menor. As intervenções ocorrem mensalmente no principal cemitério da cidade e agora o novo cronograma deve seguir até abril de 2020.

Segundo o médico veterinário Rodrigo Bertini, no Cemitério Municipal da Paz, no Jardim Raquel, as operações são menos frequentes em razão do menor nível de infestação. “A circulação de escorpiões é menor no Cemitério da Paz e, pelas características dos túmulos, o rendimento das coletas também é mais baixo. Faremos o trabalho quando as temperaturas estiverem mais altas”, comentou.

O calor favorece a saída dos escorpiões de seus esconderijos em busca de alimentos – especialmente as baratas. Os animais peçonhentos são predadores dos insetos que também se reproduzem em larga escala nos ambientes dos cemitérios.

Por isso, o trabalho de coleta de destina a controlar a população de escorpiões – e não eliminá-la, de modo a manter o ciclo natural alimentar das espécies: se retirar todos os escorpiões, as baratas se proliferam mais ainda. Se faltar baratas, os escorpiões vão procurar alimentos em outros lugares.

As equipes da Zoonoses reúnem 111 pessoas, sendo dez servidores e um voluntário. Segundo Bertini, apenas na primeira noite de trabalho que marcou a retomada das operações já foram capturados 271 escorpiões, sendo 95 filhotes. A expectativa é de remoção de até 1,2 mil todos os meses durante a programação.