Bancada da oposição votou junto com a situação em um dos projetos (Paulo Bellini/ItapiraNews)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

Um lapso de atenção da bancada oposicionista durante a tumultuada sessão extraordinária da Câmara Municipal na última quinta-feira (23) gerou uma situação inusitada.

Os vereadores que fazem oposição ao prefeito José Natalino Paganini (PSDB) votaram favoravelmente a um dos polêmicos empréstimos pretendidos pela Prefeitura, alinhando-se aos vereadores da bancada governista.

A gafe resultou na aprovação, por unanimidade, de um Projeto de Lei que pedia autorização legislativa para empréstimo de R$ 750 mil. Em nome da oposição, o vereador Mino Nicolai (PSL) logo se desculpou.

“Antes de mais nada, quero pedir desculpas, pois pela rapidez da coisa, o empréstimo de R$ 750 mil passou (sic) aprovado. Em nome da oposição eu já peço desculpas, foi uma falha nossa pelo decorrer, ela rapidez com que (a propositura) foi colocada em votação”, argumentou o vereador.

Os demais projetos, que também autorizam a Prefeitura a contratar empréstimos junto ao Governo do Estado, também foram aprovados na sequência, mas aí sem os votos dos oposicionistas Fábio Galvão dos Santos (PCdoB), Beth Manoel (PSL) e César da Farmácia (PSD).

Já os situacionistas Tiago Fontolan (PL), Toninho Marangoni (PP), Professora Marisol (PSD), Carlinhos Sartori (PSDB) e Maurício Cassimiro de Lima (PSDB) foram favoráveis a todos os empréstimos. O presidente Luan Rostirolla (PRB), também governista, só vota em caso de empate.

Mesmo com a gafe da oposição, todos os projetos seriam aprovados bastando apenas os votos da situação, que possui maioria na Casa atualmente. “É aquela história, aí parece que a oposição é contra tudo, mas estamos preocupados é com todo esse montante de empréstimo (contratados pelo governo municipal)”, criticou Mino, que classificou os novos empréstimos como “um absurdo”.

A sessão aconteceu excepcionalmente nas dependências do Circolo Italiano de Itapira, em razão de obras no plenário da Câmara. Durante os trabalhos, o historiador e membro do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) de Itapira, João Marquezini, foi retirado do local por guardas municipais, após determinação de Rostirolla.

Sessão conturbada foi marcada por aprovação de empréstimos e tumulto (Paulo Bellini/ItapiraNews)

CONFIRA OS PROJETOS APROVADOS E QUE AUTORIZAM OS EMPRÉSTIMOS:

Projeto de Lei nº 3/2020, que autoriza o Município de Itapira a contratar com a
Desenvolve SP – Agência de Fomento do Estado de São Paulo, operações de crédito
com outorga de garantia e dá outras providências. Foi aprovado por unanimidade.

Trata-se de uma operação de crédito no valor de R$ 750 mil, destinados à aquisição de máquinas e equipamentos, no âmbito do Programa Linha de Apoio a Investimentos Municipais, para aquisição de máquina esteira e caminhão basculante toco, que serão usados no aterro sanitário do Município para a compactação e cobertura dos resíduos sólidos que são lá depositados.


Projeto de Lei nº 7/2020, que autoriza o Município de Itapira a contratar com a
Desenvolve SP – Agência de Fomento do Estado de São Paulo, operações de crédito
com outorga de garantia e dá outras providências. Foi aprovado menos os quatro
votos da bancada oposicionista.

Trata-se de operação de crédito até o montante de R$
1.400.000,00 destinados a execução de serviços e obras de engenharia da segunda etapa
da construção do novo Aterro Sanitário Municipal.


Projeto de Lei nº 8/202, que Autoriza a abertura de crédito especial no valor de R$
2.500.000,00, através do excesso de arrecadação e de Operação de Crédito junto ao
Desenvolve SP – Agência de Fomento do Estado de São Paulo, sendo R$ 1.400.000,00
para fazer face às despesas com a execução das obras da segunda etapa da primeira
célula do novo aterro sanitário, com recursos oriundos de financiamento junto ao
Desenvolve-SP; e a abertura dos créditos especiais de R$ 750.000,00 e de R$
350.000,00, que se fazem necessárias para fazer face às despesas com aquisição de 1
caminhão toco e 1 trator de esteira, ambos destinados à manutenção do aterro sanitário,
sendo o primeiro valor oriundo de financiamento junto ao Desenvolve SP e o segundo
valor destinado à contrapartida do financiamento, valor este que apenas será utilizado na
hipótese dos bens a serem adquiridos ficarem acima do valor financiado, já que o
financiamento não exige contrapartida. O projeto também foi aprovado menos quatro
votos da oposição.