Mamografias poderão ser realizadas no Hospital Municipal de Itapira, afirma Prefeitura (Divulgação)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

O prefeito José Natalino Paganini (PSDB) anunciou a compra, pela Prefeitura, de um aparelho de exames de mamografia, o chamado mamógrafo, que servirá ao Hospital Municipal de Itapira. Segundo nota emitida pela assessoria de imprensa da administração, os investimentos serão feitos pelo próprio município.

A aquisição de um mamógrafo para o Hospital Municipal já foi objeto de muitas polêmicas na cidade, motivando, inclusive, protestos oposicionistas e populares em geral. Segundo a Prefeitura, a aquisição será feita ainda neste ano. O valor previsto do investimento não foi mencionado, bem como uma data limite para a instalação e início da operação. Ainda de acordo com a nota, a confirmação se deu após reuniões junto à DRS (Diretoria Regional de Saúde) de São João da Boa Vista (SP).

Ainda de acordo com o texto da assessoria, o prefeito vetou uma emenda feita ao projeto da Lei Orçamentária do município que garantia a reserva de recursos para a aquisição do mamógrafo, justamente pelo fato de a municipalidade já ter se programado para a compra.

“Paganini esclareceu que isso será possível graças ao trabalho de gestão realizado em todos os órgãos da administração, com cortes no orçamento, adequação de pessoal, diminuição do quadro de servidores, fatores estes que geraram economia e propiciaram a execução deste investimento”, informa a nota.

Segundo a Prefeitura, em recente reunião na DRS, o prefeito e o secretário municipal de Saúde, Wagner Lourenço, receberam a confirmação de que a oferta de mamografias na área região atingiu um nível de insuficiência para suprir a demanda dos municípios, “justificando finalmente a implantação e credenciamento de um mamógrafo em Itapira”.

“O processo para a implantação do mamógrafo é muito maior do que se imagina. Além de adquirir o equipamento, montar o espaço de atendimento, contratar a equipe que irá atuar junto às pacientes, é necessário obter o credenciamento do serviço junto ao Ministério da Saúde, pois somente assim, a cada exame realizado, o município recebe o pagamento através do SUS (Sistema Único de Saúde). Sem o credenciamento, o município teria de bancar tudo sozinho e isso inviabilizava a implantação”, comentou Paganini.

Segundo Lourenço, o aparelho deverá atender os quase 130 pedidos gerados em média, todos os meses, pela Rede Básica de Saúde, absorvendo ainda parte da demanda regional conforme preconiza o SUS. “Foi um longo caminho até este ponto. Com a implantação e o credenciamento, além de nos tornarmos uma referência para outras cidades, vamos ganhar agilidade na realização dos exames. É importante lembrar que o diagnóstico precoce e o início imediato do tratamento aumentam consideravelmente as possibilidades de cura”, disse o secretário.