Publicidade - Anuncie aqui também!
Paganini pede "calma" aos servidores em momento conturbado para a administração
Paganini pede “calma” aos servidores em momento conturbado para a administração
Publicidade - Anuncie aqui

O prefeito José Natalino Paganini (PSDB) quebrou o silêncio nesta sexta-feira e falou sobre o movimento grevista deflagrado pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Itapira.

Ele pediu que os servidores tenham “muita calma nessa hora” e que analisem bem a situação. As declarações foram dadas durante entrevista à Rádio Clube, pela manhã. Uma coletiva de imprensa era prevista para ocorrer à tarde, mas não houve convocação.

Conforme já divulgado pelo Itapira News, o Sindicato deflagrou greve após assembleia na noite de terça-feira. Na quarta-feira, o prefeito foi oficiado sobre a decisão. Com isso, segundo rege a Lei de Greve, os servidores poderão paralisar suas atividades a partir da próxima segunda-feira, dia 02 de junho.

Ao falar pela primeira vez publicamente sobre o assunto, Paganini disse que já havia um acordo verbal entre o Executivo e o Sindicato, mas que sugeriu que o processo esteja sofrendo interferência política. “Através dos acontecimentos eu percebo que infelizmente, em dadas situações, são coisas que estão indo para o lado da política, e temos que ter certo cuidado”. Ele pediu aos mais de 2 mil funcionários municipais que analisem a forma com que o caso vem sendo conduzido por todas as partes “porquê são situações que podem realmente vir a complicar (sic) se não analisarmos com calma”.

O prefeito afirmou que vem conversando com grupos de funcionários de todos os setores e secretarias. E avisou que os servidores que aderirem à greve terão descontados os dias parados da folha. A categoria solicitou ganho real no reajuste da data-base, além do percentual correspondente ao índice inflacionário do período entre a data-base dos anos de 2013 e 2014. Isso, segundo a pauta de reivindicações, representaria entre 11% e 12%.

O Sindicato também cobra aumento de R$ 100,00 no valor do ticket-alimentação, que subiria de R$ 250,00 para R$ 350,00. A Prefeitura ofertou aumento de apenas 6,28% – percentual relativo ao índice inflacionário; e aumento de 10% no ticket-alimentação e nos abonos de assiduidade e de Natal. A presidente do Sindicato, Cristina Helena da Silva Gomes, classificou a deflagração da greve como “um grito de liberdade”. “É uma libertação do medo de defender o que ele (servidor) precisa, que é salário digno e respeito”.

De acordo com Paganini, a Prefeitura comunicou o Sindicato de que “não reconhece a greve anunciada como legal e informa que fica suspensa a proposta de reajuste e encerrada a negociação” até que se finde o movimento, “advertindo ainda que neste ano a concessão de reajuste deverá observar o prazo eleitoral”. Segundo o prefeito, caso os servidores não aderirem à greve sejam impedidos de entrarem em seus locais de trabalho, “serão tomadas medidas judiciais”. “Tenho visitado todos os setores e departamentos e agora estou dizendo, de forma geral, que precisamos ter muita calma”. O prefeito informou que na segunda-feira concederá nova entrevista à emissora, acompanhado de outras pessoas, para “orientar” a população itapirense sobre o assunto.

DISPARO

Mais agressivo, o deputado estadual José Antônio Barros Munhoz (PSDB) também falou sobre a greve à emissora itapirense. Ele criticou duramente a administração passada e a própria presidente do Sindicato, afirmando que os servidores não tiveram reajuste na data-base nos anos de 2005, 2006 e 2007, e “a Cristina não fez nada porque vivia em almoço e jantares” junto a integrantes do então governo. O deputado disse ainda que o Sindicato não consegue adesão em massa e afirmou que “98% dos servidores estão entendendo e agradecidos ao Paganini”.

Publicidade - Anuncie aqui