Paganini prepara projeto de lei que afeta atuação de entidades (Arquivo)
Problemas de ordem pessoal motivam pedido de afastamento (Arquivo)
Problemas de ordem pessoal motivam pedido de afastamento (Arquivo)

O prefeito José Natalino Paganini (PSDB) deverá se afastar por pelo menos uma semana do cargo de chefe do Executivo Municipal.

Uma sessão extraordinária da Câmara Municipal foi convocada para a tarde desta segunda-feira (23) a pedido do tucano, formalizado via ofício na última sexta-feira (20). Com a provável aprovação do afastamento do prefeito, o comando administrativo e político do município será assumido, ainda nesta segunda-feira, pelo vice-prefeito Firmino Sanches Filho (PR).

As informações foram confirmadas pelo presidente do Legislativo, Maurício Cassimiro de Lima (PSDB). O motivo é relacionado a problemas familiares de Paganini, que envolvem diretamente a saúda da primeira-dama Sônia Marques de Oliveira Paganini. “A Câmara não pode sair do recesso parlamentar sem objetivos emergenciais ou específicos. Infelizmente, a esposa do prefeito está passando por um momento difícil e o prefeito quer estar próximo da família, e por isso pediu alguns dias de afastamento”, disse o líder governista.

De acordo com ele, o pedido deve ser aprovado por unanimidade pelos vereadores. O tucano lembrou que, como o período inicial é inferior a 15 dias, conforme determina a LOMI (Lei Orgânica do Município de Itapira), não seria nem mesmo necessário que Paganini pedisse autorização legislativa para deixar momentaneamente o posto.

Ainda assim, optou por seguir o rito. “A Prefeitura não pode parar e nesse período o Firmino vai assumir. O prefeito quer dar um cuidado especial à família e ao mesmo tempo deixar a Prefeitura em alerta nesses dias de chuva e também de renovações de convênios, muitas assinaturas, então achou por bem deixar tudo certo para que o vice-prefeito possa assumir com o aval da Câmara”, finalizou.

Após a realização da sessão, o Itapira News trará mais detalhes acerca do assunto. Em dezembro, Paganini já se afastou do cargo, mas por apenas três dias. Na ocasião, ele tirou os dias de descanso, dando oportunidade para que o então presidente da Câmara, Décio da Rocha Carvalho, o Zé Branco (PTC), assumisse o comando do Executivo pelo curto período.

Publicidade - Anuncie aqui