Governo negocia para tentar acelerar fim dos protestos (Agência Brasil)
Publicidade - Anuncie aqui também!
Publicidade - Anuncie aqui

Neste domingo (27), sétimo dia de greve, o governo volta a negociar com os caminhoneiros, ao mesmo tempo em que forças de segurança continuam a desobstruir pontos de bloqueio nas rodovias de todo o país.

A categoria dos motoristas autônomos reivindica agora desconto de 10% no valor do diesel que será cobrado na bomba, a ampliação desta redução de 30 para 60 dias e o fim da suspensão da cobrança de tarifa de pedágio para eixo elevado dos caminhões para todo o país.

O ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência, Carlos Marun, apresenta hoje ao presidente Michel Temer essas novas propostas. Marun e ministros de várias áreas se reúnem no Palácio do Planalto, no gabinete de gestão de crise, na tentativa de encerrar a paralisação. O presidente Michel Temer também está no Palácio do Planalto. Uma nova entrevista coletiva deve ser dada pelas autoridades federais nesta tarde. 

Até a noite de sábado (26), metade dos mais de mil pontos bloqueios ainda resistia nas estradas. Eram, às 22 h de sábado, 554 pontos de bloqueio nas rodovias, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF). A maioria das barreiras é parcial e sem prejuízo à circulação de veículos. De acordo com a polícia, 625 pontos foram desbloqueados. Em estados da Região Centro-Oeste, como Mato Grosso do Sul, as estradas começam a ser totalmente liberadas, segundo informou nesta manhã a PRF estadual. Até o meio dia deste domingo, a PRF não havia atualizado o número de bloqueios

São Paulo 

O governo de São Paulo informou hoje (27) pela manhã que, após as medidas anunciadas ontem pelo governador Márcio França, o número de bloqueios nas rodovias estaduais paulistas registrou queda de 77,7%, passando de 157 vias bloqueadas [total de vias paradas na manhã de sábado] para 35.

Segundo o governo, às 7h deste domingo, havia ainda 35 interrupções em rodovias estaduais e duas em rodovias federais. O governador, que se reuniu no sábado com o ministro Carlos Marun, anunciou a suspensão da cobrança do eixo suspenso, usado pelos caminhões que trafegam sem carga total, nos pedágios das rodovias paulistas. A medida faz parte de um pacote de ações negociado para a desobstrução das estradas.

A interrupção da cobrança começa a vigorar a partir da 0h de terça-feira (29), prazo negociado pelos líderes dos caminhoneiros para liberação das rodovias, principalmente trechos da Régis Bittencourt (que liga aos estados do Sul) e do Rodoanel (que interliga rodovias na região metropolitana paulista). Já o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), informou neste domingo que assinou um decreto para permitir a livre circulação de caminhões na capital paulista ao longo desta semana.